UOL Notícias Notícias
 

09/02/2010 - 10h44

20 anos após libertação de Mandela, África do Sul ainda luta

Por Marius Bosch

JOHANESBURGO (Reuters) - Vinte anos depois da libertação de Nelson Mandela, a África do Sul é uma democracia vibrante, mas ainda tem milhões de pessoas vivendo na pobreza e buscando uma liderança capaz de confrontar os problemas econômicos.

A libertação de Mandela em 11 de fevereiro de 1990, após 27 anos nas prisões do apartheid, colocou em marcha uma transformação política que culminou com a história eleição multirracial de 1994 e com a posse do próprio Mandela como primeiro presidente negro do país.

Alguns críticos dizem que o legado de Mandela foi destruído por causa de incidentes como o afastamento do sucessor dele, Thabo Mbeki, do comando do partido CNA e do recente escândalo sexual envolvendo o atual presidente do país, Jacob Zuma.

A democratização da África do Sul é até hoje vista como um milagre. As propostas conciliadoras de Mandela conquistaram o apoio até de radicais brancos conservadores, e comunidades antes segregadas passaram a ser integradas. Em geral, brancos e negros se tratam com respeito hoje em dia.

Mas milhões de negros ainda vivem na miséria em terríveis "townships" (favelas), e a taxa oficial de desemprego é de quase 25 por cento, embora analistas digam que na verdade seja muito superior.

"Os desafios são idênticos. Se há três categorias de coisas, são o desemprego, a desigualdade com uma camada racial e a pobreza. As mudanças entre 1990 e 2010 não são profundas", disse o analistas político Nic Borain.

A África do Sul também tem um dos maiores índices de criminalidade do mundo, e uma das maiores quantidades de portadores do vírus da Aids.

A disparidade de renda entre os grupos raciais cresceu desde 1995, e o Banco Mundial descreve a África do Sul como um país com "diferenças extremas em termos de renda e riqueza".

Pelo menos 34 por cento dos cerca de 50 milhões de sul-africanos vivem com menos de 2 dólares por dia, segundo o Banco Mundial.

Sob o governo do Congresso Nacional Africano, partido no poder desde o fim do apartheid, a África do Sul teve sua mais prolongada fase de prosperidade, até ser afetada pela crise global e mergulhar numa recessão no começo de 2009.

Embora tenha se livrado dela no terceiro trimestre, analistas dizem que as perspectiva de crescimento permanecem aquém das de outros grandes países emergentes - o que só poderia mudar com grandes avanços na infraestrutura e reformas no mercado de trabalho da maior economia africana, segundo os especialistas.

Para Peter Attard Montalto, economista de mercados emergentes no instituto Nomura International, a África do Sul carece de novas lideranças para as reformas. "Precisamos caçar o próximo Mandela, não o construtor nacional, mas o revolucionário econômico", disse.

Apesar dos óbvios problemas do país, muita coisa mudou desde o dia em que Mandela saiu da cadeia. Uma forte classe média negra emergiu, toda uma geração que nasceu depois de 1994 cresceu em uma sociedade multirracial, e serviços básicos, como água e energia, foram estendidos a milhões de pessoas.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    11h39

    0,24
    3,148
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h44

    0,56
    65.049,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host