UOL Notícias Notícias
 

09/02/2010 - 20h25

Empresários e acadêmicos dominam ministério de Piñera

SANTIAGO (Reuters) - O presidente eleito do Chile, Sebastián Piñera, anunciou na terça-feira seu ministério, com predomínio de líderes empresariais e acadêmicos. O economista Felipe Larrain ficará na pasta das Finanças, encarregado de atrair investimentos por meio de benefícios fiscais e subsídios.

O bilionário Piñera escolheu líderes do próspero setor varejista chileno, além de advogados e economistas, para o comando econômico do país, que tem uma das economias mais estáveis da América Latina.

Durante a campanha eleitoral, Larrain, de 51 anos, professor da prestigiosa Universidade Católica do Chile, disse à Reuters que buscaria criar um "círculo virtuoso" de criação de empregos e demanda.

Piñera promete elevar o crescimento econômico à casa dos 6 por cento ao ano, criar 1 milhão de empregos e reformar estatais como a Codelco, maior produtora global de cobre, para torná-las mais ágeis e eficientes.

"(Devemos) recuperar nossa capacidade de crescimento e criação de empregos", disse Piñera.

Críticos do futuro presidente dizem que seus planos dependem excessivamente do investimento privado e da recuperação da demanda global por cobre, especialmente na China.

O futuro governo pretende dar benefícios fiscais para pequenas e médias empresas, mas em geral ninguém espera grandes mudanças na política econômica em vigor nas últimas décadas.

O Banco Central chileno estima que a economia tenha encolhido 1,9 por cento em 2009, e prevê uma expansão de 4,5 a 5,5 por cento em 2010, depois de o país sair da sua primeira recessão em uma década.

Piñera nomeou seu coordenador de campanha, o advogado Rodrigo Hinzpeter, para o Ministério do Interior, e Alfredo Moreno, diretor da rede varejista Falabella, como chanceler.

Cumprindo sua promessa de um "gabinete de unidade", depois de uma vitória eleitoral que encerrou 20 anos de governo da coalizão centro-esquerdista Concertação, Piñera chamou Jaime Ravinet para voltar ao Ministério da Defesa, que ele já havia ocupado em um governo anterior.

Laurence Golborne, ex-executivo-chefe da empresa Cencosud, será o ministro da Mineração, e o respeitado economista Cristian Larroulet será o chefe de gabinete do governo.

(Reportagem de Simon Gardner, Rodrigo Martinez, Fabian Cambero, Alvaro Tapia e Bianca Frigiani)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host