UOL Notícias Notícias
 

09/02/2010 - 17h23

Serra nega que reajuste de 10,89% do piso paulista vise eleição

SÃO PAULO (Reuters) - O governador José Serra (PSDB), provável candidato à Presidência da República, anunciou nesta terça-feira índice de reajuste ao salário regional paulista superior ao salário mínimo nacional. Ele negou, no entanto, que a iniciativa seja eleitoreira.

"Nada a ver, não estamos em uma gincana. Estamos governando", disse Serra ao ser questionado em entrevista coletiva se o motivo do aumento maior é a eleição de outubro próximo. "É perfeitamente assimilável pela economia paulista."

A proposta de reajuste que será enviada à Assembleia Legislativa nesta terça-feira prevê índice de aumento de 10,89 por cento para a primeira faixa do piso salarial paulista, elevando o valor final de 505 para 560 reais.

O valor deve ser cumprido pela iniciativa privada paulista, de acordo com lei estadual de 2007, e impacta cerca de 1 milhão de trabalhadores.

O governo federal concedeu 9,68 por cento de reajuste ao salário mínimo, que passou de 465 para 510 reais.

A diferença, segundo o governo paulista, está no cálculo. Nos dois casos são utilizados o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes (no caso, 2008) e a inflação medida pelo INPC entre 2009 e 2010.

Enquanto o mínimo nacional levou em conta o cálculo do PIB de todo o país, o piso de São Paulo utilizou o PIB paulista, que, segundo o governador, foi superior ao do total do Brasil.

"No ano retrasado (2008), a economia paulista cresceu mais que a nacional", explicou Serra.

Antes do início da entrevista, no entanto, a secretaria estadual do Emprego e Relações do Trabalho distribuiu material aos jornalistas informando que o piso regional passaria de 505 para 550 reais, o que levaria a um aumento de 8,90 por cento e, portanto, abaixo do índice do salário mínimo nacional.

Tanto o secretário de Emprego, Guilherme Afif (DEM), quanto o governador Serra negaram que a alteração tivesse sido feita de última hora, apesar de a entrevista ter começado com atraso de quase uma hora.

"Digitaram para a imprensa com o cenário errado", afirmou Serra, explicando que o cálculo entregue aos jornalistas levava em conta o PIB nacional e não o PIB paulista, mudança que, afirmou, foi decidida com antecedência.

Desde 2007, esta foi a primeira vez que São Paulo utilizou o PIB paulista na primeira faixa do salário regional.

Esta primeira faixa atinge trabalhadores com reduzida mobilização sindical e que não têm acordo coletivo, como domésticos, motoboys, serventes, contínuos, mensageiros e empregados em serviços de limpeza, entre outros.

Uma segunda faixa passará de 530 para 570 reais e a terceira, de 545 para 580 reais, correspondentes a várias categorias de trabalhadores. Os valores entram em vigor no mês seguinte à aprovação pela Assembleia Legislativa.

(Reportagem de Carmen Munari)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host