UOL Notícias Notícias
 

10/02/2010 - 20h34

Irã eleva enriquecimento de urânio nos próximos dias, diz AIEA

VIENA (Reuters) - O Irã informou aos inspetores nucleares que iniciará nos próximos dias o enriquecimento de urânio a 20 por cento, depois de preparativos que vêm sendo realizados desde segunda-feira, segundo um memorando confidencial da Organização das Nações Unidas (ONU) obtido pela Reuters.

O Irã, que até agora enriquece urânio a 3,5 por cento, anunciou na terça-feira que havia iniciado o processo de purificação do material até 20 por cento.

O enriquecimento é uma etapa importante para o desenvolvimento de armas nucleares, conforme suspeita o Ocidente. Teerã garante que suas atividades são pacíficas e se destinam apenas à geração de eletricidade com fins civis.

O memorando assinado por Yukiya Amano, diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA, um órgão da ONU), disse que o Irã recalibrou 164 das suas milhares de centrífugas para fazer um enriquecimento mais elevado na usina de Natanz.

Amano sugeriu estar preocupado com a falta de aviso prévio da operação. De acordo com ele, a agência foi informada na segunda-feira e pediu ao Irã que esperasse até que os inspetores ajustem seus procedimentos e recebam esclarecimentos técnicos e sobre a duração prevista do programa.

"Na quarta-feira, quando os inspetores da agência chegaram à planta-piloto, foram informados de que o Irã havia começado a alimentar o urânio baixamente enriquecido em uma cascada (rede de centrífugas) na noite anterior, para fins (de testes)", disse o memorando.

Um diplomata familiarizado com as operações da AIEA disse à Reuters que "a agência deveria ter sido alertada antes." "Parece que o confronto (do Irã com o Ocidente) vai aumentar", acrescentou.

Também na quarta-feira, a principal autoridade nuclear do Irã disse que ainda é possível um acordo pelo qual o país entregue seu estoque de urânio em troca de combustível enriquecido para o seu reator de pesquisas. Nesse caso, segundo Ali Akbar Salehi, o Irã poderia parar de produzir o urânio enriquecido a 20 por cento.

Mas ele reiterou a exigência de que a troca seja imediata e ocorra em território iraniano -- condição que o Ocidente rejeita de antemão.

O acordo seria uma garantia de que o Irã não teria material para enriquecê-lo até níveis necessários para o uso em armas nucleares, cerca de 90 por cento.

(Reportagem por Mark Heinrich)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host