UOL Notícias Notícias
 

11/02/2010 - 13h47

África do Sul comemora 20 anos da libertação de Nelson Mandela

Por Wendell Roelf

GROOT DRAKENSTEIN, África do Sul (Reuters) - Gritando "Viva Nelson Mandela, viva!", milhares de sul-africanos festejaram na quinta-feira os 20 anos passados desde que o ícone da luta contra o apartheid foi libertado, depois de 27 anos encarcerado como prisioneiro político.

Mandela, que está com 91 anos e saúde frágil, não compareceu aos festejos na prisão de Drakenstein, perto da Cidade do Cabo, mas uma enorme estátua de bronze dele marchando da prisão, com o punho no ar, ergueu-se sobre a multidão, mais ou menos como a imagem de Mandela se ergue sobre a política e a sociedade sul-africanas até hoje.

Entre a multidão de maioria negra que agitava as bandeiras pretas, verdes e douradas do Congresso Nacional Africano (CNA) de Mandela estavam outros heróis "da luta" que estiveram presentes naquele domingo tão importante, duas décadas atrás.

"Foi tudo um pouco caótico, e não estávamos preparados", contou o empresário milionário Cyril Ramaphosa - então alto funcionário do sindicato dos trabalhadores em minas e do CNA -, recordando as cenas caóticas que se seguiram à libertação de Mandela.

Os líderes do CNA, que tinha sido tirado da ilegalidade apenas nove dias antes, foram avisados apenas 24 horas antes que deveriam preparar-se para a soltura de Mandela, que quatro anos depois se tornaria o primeiro presidente negro de um país que tinha sido dominado pela minoria branca durante 300 anos.

Ramaphosa e seus correligionários tiveram que voar à Cidade do Cabo em um avião fretado para a ocasião, enquanto a segurança do lado de fora da prisão situada no coração da região vinícola sul-africana foi organizada por um padre católico que "não sabia nada sobre armas".

Foi pedido a membros da base do CNA que trajassem ternos e adotassem postura dura, para criar uma aparência vaga de segurança. Mas, minutos depois de imagens de Mandela, livre, terem sido transmitidas para todo o mundo, ele foi carregado pela multidão.

"Nós o perdemos no caminho", contou Ramaphosa, sorrindo.

Foi apenas depois de receberem uma informação de um policial do trânsito que os líderes do CNA, preocupadíssimos, encontraram Mandela outra vez. Ele tinha tirado os sapatos e as meias e estava tomando chá na casa suburbana de um partidário do CNA.

Então os organizadores o escoltaram até um pódio para fazer seu primeiro discurso público em quase três décadas, diante de uma multidão de dezenas de milhares de pessoas na Grande Parada da Cidade do Cabo.

"Nós o içamos para o alto, e ele fez seu discurso", relatou Ramaphosa.

EUFORIA DÁ LUGAR A REALISMO

A campanha de reconciliação travada por Mandela durante sua presidência (1994-1999) é vista como responsável por unificar o país racialmente dividido, deitando as bases da democracia que governa a África do Sul, maior economia do continente africano.

"Desde sua libertação e até hoje, Mandela significa muito para o país", disse a conservacionista Elizabeth Davids, 42.

"Ele libertou todos nós do apartheid. Antes, nunca nos misturávamos. Brancos, negros e mestiços vivíamos separados, mas hoje nos misturamos todos e somos uma só nação."

Contudo, desde a euforia de 1990 e das eleições multipartidárias de quatro anos depois, a dura realidade do desmantelamento de quatro décadas de apartheid oficial - e muito mais de apartheid não oficializado - vem se manifestando com força.

Apesar de 17 anos de crescimento econômico antes de 2009, o desemprego na África do Sul se mantém superior a 20 por cento, e milhões de negros continuam a viver em favelas, com pouco acesso a água corrente, eletricidade ou saúde.

O índice de contaminação por HIV e de Aids da África do Sul é um dos mais altos do mundo.

No poder desde 1994, o CNA vem fazendo alguns avanços na redução da desigualdade, que ainda é uma das maiores do mundo, e o fato de o país abrigar a Copa do Mundo este ano é visto como símbolo da autoconfiança crescente da "nova" África do Sul.

A cada ano que passa, porém, as credenciais da "luta pela libertação" vão se enfraquecendo, à medida que os eleitores negros pobres - dos quais uma parcela cada vez maior não se recorda do apartheid - reivindicam ruas limpas e políticos honestos.

"Direi obrigado a Mandela", disse Richard Ndogeni, 25 anos, que estuda para ser eletricista. "Os políticos de hoje estão comendo nosso dinheiro. Eles não fazem seu trabalho. Preocupam-se apenas em ter carros e casas - não se importam com o povo."

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    11h59

    -0,38
    3,137
    Outras moedas
  • Bovespa

    12h01

    -0,26
    65.009,99
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host