UOL Notícias Notícias
 

18/02/2010 - 16h56

AIEA teme que Irã esteja preparando ogiva nuclear

Por Mark Heinrich

VIENA (Reuters) - A agência nuclear da Organização das Nações Unidas (ONU) teme que o Irã esteja trabalhando para desenvolver uma carga nuclear para um míssil, segundo relatório confidencial obtido nesta quinta-feira pela Reuters.

O texto da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) confirma também que o Irã produziu seu primeiro lote, ainda pequeno, de urânio enriquecido a 20 por cento, sem ter avisado com a antecedência devida aos inspetores internacionais.

O Irã anunciou na semana passada que havia passado a enriquecer urânio até um grau de pureza de 20 por cento, para uso em um reator de pesquisas médicas. Até então, o país enriquecia urânio apenas até 3,5 por cento. Para uso em armas nucleares, é preciso uma pureza de cerca de 90 por cento.

Tanto o enriquecimento adicional quanto a notícia sobre ogivas nucleares devem alimentar preocupações no Ocidente quanto às verdadeiras intenções do programa atômico iraniano, apesar de Teerã insistir no seu caráter pacífico, para geração de eletricidade e fins científicos.

A AIEA há anos investiga relatos de governos ocidentais indicando que o Irã tem esforços coordenados para processar urânio, testar explosivos em alta altitude e adaptar o cone de um míssil balístico para que possa receber ogivas nucleares.

Em 2007, no entanto, os EUA avaliaram que o Irã havia abandonado tais atividades em 2003 e, provavelmente, não as retomaria.

Importantes aliados ocidentais, porém, acham que o Irã manteve o programa --e o relatório da AIEA representa um inédito aval independente a essa teoria.

"A informação disponível para a agência é extensa (...), amplamente consistente e crível em termos de detalhes técnicos, do cronograma em que as atividades são conduzidas e das pessoas e organizações envolvidas", disse o relatório.

"Tudo isso desperta preocupações sobre a possível existência no Irã de atividades não reveladas, passadas ou atuais, relacionadas ao desenvolvimento de uma carga nuclear para um míssil."

Com termos excepcionalmente duros, foi o primeiro relatório da AIEA sobre o Irã desde a posse do novo diretor geral da instituição, Yukiya Amano, considerado mais inclinado a confrontar o Irã do que seu antecessor, Mohamed ElBaradei.

O relatório, que será avaliado em um encontro entre os dias 1o e 5 de março pelos 35 países que formam a direção da AIEA, apontou que com o passar do tempo tem ficado mais difícil obter informações sobre o programa nuclear iraniano, e que, portanto, é essencial que Teerã coopere "sem mais delongas" com os investigadores da agência.

O Irã alega que as acusações ocidentais sobre o desenvolvimento de ogivas atômicas são inventadas, mas não conseguiu provar o contrário. O país passou 18 meses evitando contatos com a AIEA a respeito desse assunto.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    11h49

    0,21
    3,286
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h54

    -0,08
    63.206,46
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host