UOL Notícias Notícias
 

18/02/2010 - 19h41

Fed eleva taxa de redesconto para 0,75%

WASHINGTON (Reuters) - O Federal Reserve informou nesta quinta-feira a elevação do juro para empréstimos emergenciais a bancos, na primeira mudança de taxas desde dezembro de 2008, mas insistiu que o custo de empréstimos para consumidores e empresas não deve subir.

Segundo o Fed, a taxa de redesconto será elevada de 0,50 para 0,75 por cento a partir de sexta-feira. O juro básico foi mantido perto de zero.

"Como o encerramento de uma série de programas extraordinários de crédito no início deste mês, essas mudanças objetivam mais normalização dos instrumentos de empréstimo do Federal Reserve", afirmou o banco central norte-americano em comunicado.

"Não se espera que as modificações levem a um aperto nas condições financeiras para famílias e empresas, e elas não sinalizam nenhuma mudança na perspectiva para a economia ou para a política monetária."

Os índices futuros de ações e os preços dos bônus caíram, enquanto o dólar subiu após o anúncio.

Na semana passada, o chairman do Fed, Ben Bernanke, disse que o banco central poderia em breve elevar a taxa de redesconto, mas destacou que isso não seria um aperto na política monetária.

Amelia Bourdeau, estrategista de câmbio do UBS AG, afirmou que, mesmo com a menção de Bernanke na semana passada, foi surpreendente ver o Fed agindo tão rapidamente.

"O mercado está considerando isso como um aperto e é por isso que estamos vendo o dólar se fortalecendo", disse.

PERSPECTIVA ECONÔMICA NÃO MUDA

A visão do banco central sobre a economia melhorou nos últimos meses, à medida que a perda de empregos diminuiu e o gasto do consumidor se fortaleceu. Mas o Fed alertou que a recuperação provavelmente seria lenta e que esperava manter o juro básico perto de zero por um "período prolongado".

No comunicado desta quinta-feira, o Fed disse que a perspectiva para a economia e para a política continua a mesma do final de janeiro, quando o comitê de política monetária reiterou o compromisso com o juro baixo.

Antes de a crise financeira eclodir em 2007, a taxa de redesconto ficava tipicamente 1 ponto percentual acima do juro básico. O Fed cortou a taxa de redesconto em 0,50 ponto, para 5,75 por cento, em agosto de 2007, com as preocupações sobre declínio no setor imobiliário e volatilidade nos mercados financeiros.

Isso reduziu o spread entre as duas taxas.

Em março de 2008, o Fed cortou em 0,25 ponto a taxa de redesconto, deixando-a apenas 0,25 ponto acima do juro básico.

Ambos os cortes, assim como o aumento desta quinta-feira, foram feitos fora das reuniões regulares do Fed.

Outras mudanças anunciadas incluem redução do prazo máximo típico nos empréstimos primários para um dia (overnight), a partir de 18 de março, e elevação da oferta mínima no programa Term Auction Facility do Fed de 0,25 para 0,5 por cento.

"O aumento do spread e a redução no prazo máximo vão encorajar as instituições a contar com os mercados de financiamento privado para o crédito de curto prazo e usar o instrumento do Fed somente como uma fonte 'backup' de fundos", acrescentou o Fed.

O banco central também informou que vai avaliar ao longo do tempo se precisa ampliar mais o spread entre a taxa de redesconto e o juro básico.

(Por Emily Kaiser)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host