UOL Notícias Notícias
 

18/02/2010 - 17h58

Obama ignora pressão chinesa e recebe Dalai Lama

Por Matt Spetalnick

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, recebeu nesta quinta-feira o Dalai Lama na Casa Branca, apesar dos alertas chineses de que isso poderia prejudicar as relações bilaterais.

Abordando assuntos que devem atrair a ira de Pequim, Obama usou seu primeiro encontro presidencial com o líder tibetano no exílio para pressionar a China a proteger a identidade do Tibete e os direitos humanos do seu povo.

As relações entre China e EUA passam por um momento conturbado também devido a outras questões, como censura na Internet, política cambial e a venda de armas dos EUA a Taiwan.

A China acusa o Dalai Lama de pregar o separatismo tibetano, embora o líder budista, exilado na Índia desde 1959, afirme defender apenas mais autonomia para a sua região.

Em nota após o encontro de quase uma hora, a Casa Branca disse que Obama "elogiou o compromisso do Dalai Lama com a não violência e sua busca pelo diálogo com o governo chinês", e que ambos "concordaram quanto à importância de uma relação positiva e cooperativa entre os Estados Unidos e a China."

Embora tenha desafiado a pressão da China para cancelar o encontro, a Casa Branca se esforçou por sua discrição, proibindo a imprensa de presenciar o evento.

Ao sair do encontro, o Dalai Lama, vestindo sandálias e uma túnica vinho, falou a jornalistas na rua que dá acesso à sede do governo, relatando ter manifestado a Obama sua admiração pelos Estados Unidos como "paladinos da democracia, da liberdade e dos valores humanos."

Analistas dizem que as economias dos EUA e da China são interligadas demais para que os países se permitam um confronto. A recepção ao Dalai Lama pode, no entanto, complicar os esforços de Washington para ter o apoio chinês em várias questões diplomáticas, como as negociações nucleares com Irã e Coreia do Norte e a discussão de um novo tratado climático global.

No ano passado, Obama foi criticado nos EUA por ter supostamente sido brando demais com os líderes chineses durante uma visita à Ásia.

Na véspera do encontro, o porta-voz de Obama, Robert Gibbs, declarou que EUA e China --maior e terceira maior economias do mundo, respectivamente-- têm uma "relação madura", capaz de resistir a discordâncias.

(Reportagem adicional de Patricia Zengerle, Steve Holland e Caren Bohan)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,59
    3,276
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,54
    61.673,49
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host