UOL Notícias Notícias
 

01/03/2010 - 12h58

Sarkozy promete ajuda às vítimas de enchentes na França

Por Guillaume Frouin

L'AIGUILLON-SUR-MER, França (Reuters) - O presidente Nicolas Sarkozy percorreu nesta segunda-feira partes do oeste da França atingidas por tempestades e enchentes no fim de semana que deixaram pelo menos 48 mortos, e prometeu 3 milhões de euros (4 milhões de dólares) para auxiliar as vítimas.

Sarkozy visitou a cidade litorânea de Aiguillon-sur-Mer, a mais fortemente atingida na França, onde 25 corpos foram recuperados desde que um dique desabou, provocando inundações que surpreenderam muitas vítimas enquanto dormiam, impossibilitadas de deixar suas casas.

O governo declarou estado de desastre natural, com o qual as vítimas poderão pedir indenização e auxílio de seus seguros, e também anunciou que buscará ajuda da União Europeia para a região.

Sarkozy disse que haverá um exame minucioso das causas do desastre, um plano para reforçar os diques marítimos e auxílio emergencial para agricultores.

O desastre já levou ao questionamento dos códigos de construção no litoral e da segurança dos diques marítimos, mas, com a contagem de mortos prevista para subir mais, à medida que os serviços de resgate continuam com as buscas, o presidente disse que ainda é cedo para apontar conclusões.

"Há pessoas mortas e desaparecidas, e nós lhes devemos compaixão", disse Sarkozy, depois de sobrevoar a região de helicóptero. "Não é hora de começar com discussões polêmicas."

Chuvas fortes associadas a fortes rajadas de vento e marés altas destruíram vários muros de contenção marítima na costa Atlântica nas regiões ocidentais de Vendée e Charente Maritime no fim de semana.

Muitas pessoas acordaram e encontraram suas casas inundadas, e várias pessoas relataram ter sido obrigadas a fugir nadando, enquanto a água invadia as janelas de suas casas.

Vítimas que escaparam de suas casas inundadas foram para abrigos temporários, e vários feridos foram levados de helicóptero para hospitais vizinhos.

Os relatos iniciais sugerem que os danos tenham sido causados por uma combinação incomum de ventos muito fortes, de até 160 km/h, marés altas e uma depressão atmosférica que intensificou a alta repentina do nível da água.

Testemunhas relataram uma inundação repentina que aconteceu em poucos minutos na noite de sábado para domingo, surpreendendo muitas pessoas em suas camas.

O serviço meteorológico francês emitiu um aviso de alerta vermelho na sexta-feira, mas a população das áreas costeiras não foi retirada.

O ministro dos Transportes, Dominique Bussereau, negou que as autoridades não tenham tomado as precauções necessárias, mas Philippe de Villiers, chefe do governo local do Vendée, disse que os códigos de construção civil da região litorânea precisam ser revistos.

"Quando a terra está no nível do mar, faz sentido construir mais longe do mar", disse.

(Reportagem adicional de Thierry Leveque, Claude Canellas, Guillaume Frouin e James Mackenzie)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    14h39

    -0,47
    3,237
    Outras moedas
  • Bovespa

    14h41

    -0,23
    74.423,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host