UOL Notícias Notícias
 

04/03/2010 - 17h56

DEM pode abrir mão de vice mesmo sem Aécio na chapa de Serra

Por Fernando Exman

BELO HORIZONTE (Reuters) - Mesmo com o governador Aécio Neves fora da chapa presidencial, o DEM poderia abrir mão da vaga de vice na aliança com o PSDB se houver um nome aliado que seja mais forte que algum integrante do partido, afirmou nesta quinta-feira o líder da legenda no Senado, senador José Agripino Maia (RN).

Lideranças do DEM vinham afirmando que fariam este gesto apenas se o governador de Minas Gerais ocupar a vice e que, caso ele não aceitasse a missão, o cargo teria que ser de alguém do Democratas.

Aécio já disse ao governador de São Paulo, José Serra, provável candidato do PSDB à Presidência, o que vinha reiterando em público: não será candidato à vice.

"Pode ser um quadro do DEM o que é o mais recomendável ou alguém que some mais que um Democrata", disse Agripino à Reuters, após participar da inauguração do novo centro administrativo do governo mineiro. "Se você encontrar alguém que some mais, a gente até cederia."

O senador ponderou que o DEM "não exige nada", mas destacou que o partido assumir a vaga de vice seria o caminho "natural".

O presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), negou que haja na sigla um sentimento de questionamento sobre os rumos que a legenda seguirá na eleição.

"Temos uma posição firmada que é a candidatura de José Serra. Outra posição é que Aécio não quer ser vice", declarou o parlamentar a jornalistas.

Guerra assegurou que o PSDB não tentará convencer Aécio a mudar de ideia. "Nosso partido não pressionará o Aécio. Do Aécio a gente já sabe tudo."

Por outro lado o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) voltou a cobrar uma postura mais assertiva de Serra.

Para ele, o governador paulista deve assumir a candidatura em público para que a militância do PSDB comece a trabalhar por ela.

"Todo o partido está de mãos atadas enquanto não há uma definição. Essa definição é urgentíssima, já está atrasada", alertou.

O senador argumentou que a pré-candidata do PT, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, já está em campanha, embora a Justiça Eleitoral não a tenha punido.

"Nós não temos que ficar mais só assistindo a esse jogo."

Citado entre os que podem compor a chapa encabeçada por Serra, Tasso Jereissati disse que o assunto da vice não deve ser debatido neste momento. "Nesse momento isso é absolutamente secundário."

(Edição de Alexandre Caverni)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host