UOL Notícias Notícias
 

12/03/2010 - 12h53

Com apuração atrasada, atual primeiro-ministro tem ligeira vantagem no Iraque

Rania El Gamal
Em Bagdá

O primeiro-ministro Nuri al-Maliki estava ligeiramente à frente dos adversários xiitas, segundo resultados parciais da eleição do Iraque divulgados nesta sexta-feira, mas um representante secular estava com boa vantagem em áreas sunitas.

Raio-x do Iraque

  • Nome oficial: República do Iraque

    Tipo de governo: Democracia parlamentar

    Capital: Bagdá

    Divisão administrativa: 18 províncias e 1 região

    População: 28.945.569

    Grupos etnicos: Árabes 75%-80%, Curdos 15%-20%, Turcomanos, Assírios e outros 5%

    Religiões: Muçulmanos 97% (xiitas 60%-65%, sunitas 32%-37%) e Cristãos e outras 5%

    Idiomas: Árabe, Curdo (oficial nas regiões curdas), Turcomano (dialeto), Neo-aramaico e Armenio

    Fonte: CIA World Factbook 2009

A disputa continua muito equilibrada para criar previsões até que os resultados iniciais sejam divulgados para todas as 18 províncias do Iraque, inclusive áreas importantes como Bagdá, a capital de diversidade étnica e religiosa com mais de 6 milhões de habitantes.

Resultados iniciais para cinco províncias foram divulgados até agora, mostrando que a coalizão Estado de Direito, de Maliki, estava à frente da Aliança Nacional Iraquiana (INA), uma coalizão de poderosos partidos xiitas -- mas com uma diferença de apenas 15.500 votos entre 313.00 contabilizados.

A perspectiva para o Iraque depois das eleições parlamentares do dia 7 de março, um marco sete anos depois da queda de Saddam Hussein, ficou ainda mais confusa depois do atraso na apuração inicial e crescentes acusações de fraude.

A lista do partido Iraquiya, do ex-premiê Iyad Allawi, aliança que abrange grupos sectários seculares diversos, estava bem à frente em duas províncias ao norte com grande população sunita.

Autoridades da Alta Comissão Eleitoral Independente disseram que mais resultados devem ser divulgados na sexta-feira.

Hamdiya al-Husseini, um alto oficial da comissão eleitoral, negou acusações de fraude vindas do grupo de Allawi, inclusive informações de que alguns votos foram descobertos no lixo e nomes de mais de 200 mil soldados estavam faltando das listas eleitorais.

"O processo de contagem e organização dos votos está indo bem, com a presença de observadores de partidos políticos sob supervisão internacional", disse Husseini.

Autoridades das Nações Unidas, que estavam aconselhando a comissão, descartaram as acusações de fraude.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    09h59

    0,03
    3,158
    Outras moedas
  • Bovespa

    10h03

    0,15
    74.554,52
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host