UOL Notícias Notícias
 

18/03/2010 - 15h47

Partidários do governo cubano perseguem o grupo Damas de Branco

HAVANA (Reuters) - O grupo dissidente cubano Damas de Branco marchou na quinta-feira pelo quarto dia consecutivo pela ruas de Havana, em homenagem ao sétimo aniversário da prisão de familiares de seus integrantes, enquanto partidários do governo e autoridades o rodeavam.

As mulheres e mães dos presos políticos caminharam durante pouco mais de uma hora pelas principais ruas do centro da capital, gritando frases como "Zapata Vive e Liberdade!", em homenagem a um dissidente que morreu recentemente após uma greve de fome.

Agentes de segurança e partidários do governo comunista do presidente Raúl Castro as escoltaram, permanecendo em volta delas, mas sem tocá-las, até chegar à casa de Laura Pollán, líder do grupo.

Na quarta-feira, policiais arrastaram as mulheres pelos cabelos e as colocaram à força em dois ônibus quando realizavam uma marcha similar num bairro da periferia de Havana. Não houve prisões.

Quinta-feira foi o quarto dia consecutivo de manifestação para lembrar a prisão de 75 opositores, numa operação iniciada em 18 de março de 2003, acusados pelo governo em julgamentos sumários de servir a uma potência estrangeira.

Cuba acusa os dissidentes de serem mercenários a serviço dos Estados Unidos e diz que as críticas internacionais são parte de uma campanha midiática contra o sistema socialista.

A morte em 23 de fevereiro do preso político Orlando Zapata após 85 dias de greve de fome deteriorou as relações com a União Europeia, que estavam se recuperando de uma grave crise em razão da Primavera Negra, como é conhecida a operação de 2003.

Além disso, deixou em suspenso uma aproximação com o governo do presidente norte-americano, Barack Obama, que no ano passado deu tímidos passos para terminar com meio século de hostilidades desde a Guerra Fria.

O governo comunista do presidente Raúl Castro descreveu Zapata como um delinquente comum que se imolou voluntariamente, desobedecendo os conselhos dos médicos do cárcere.

A morte dele levou outros dissidentes a declararem greve de fome.

(Reportagem de Esteban Israel)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,59
    3,276
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,54
    61.673,49
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host