UOL Notícias Notícias
 

19/03/2010 - 13h26

Produtor e ex-namorado pede US$30 mi em ação contra Lady Gaga

NOVA YORK (Reuters) - Um ex-produtor de Lady Gaga está processando sua antiga protegida por mais de 30 milhões de dólares, afirmando ter ajudado a cantora a fazer sucesso mas não ter lucrado com isso depois que o namoro deles chegou ao fim.

Em sua ação, aberta na quarta-feira na Suprema Corte do Estado de Nova York, Rob Fusari afirma que foi a figura-chave na transformação da jovem ambiciosa Stefani Germanotta no fenômeno pop que ela é hoje, tendo até ajudado a cunhar seu nome artístico, Lady Gaga.

Mas, quando o romance deles terminou, Fusari teria sido excluído do contrato de Lady Gaga com uma gravadora, não teria recebido os royalties aos quais teria direito sobre suas vendas musicais subsequentes e não teria recebido o valor integral dos honorários de produtor que lhe eram devidos.

"Todas as relações de negócios são pessoais", diz a ação. "Quando essas relações pessoais viram relações românticas, qualquer relacionamento comercial correspondente geralmente segue a mesma trajetória, de modo que, quando uma das relações acaba, todas são prejudicadas. Foi o que aconteceu aqui."

Lady Gaga, que tem 23 anos e já recebeu dois prêmios Grammy, é vista como uma das novas artistas pop mais empolgantes dos últimos tempos. Ela já vendeu mais de 10 milhões de álbuns em todo o mundo.

Ela fascina seus fãs delirantes com sucessos como "Bad Romance" e "Poker Face" e eletrizou plateias com façanhas como atear fogo a seu piano na entrega dos American Music Awards ou fazer falso sangue pingar de suas costelas durante uma apresentação ao vivo.

A ação judicial relata como Gaga conheceu Fusari, em março de 2006, através de um amigo mútuo. Ele não se impressionou com a aparência dela, mas pediu a ela que cantasse, e "em questão de segundos" ficou maravilhado.

"Fusari achou que as canções de Germanotta eram ótimas, mas que lhes faltava apelo comercial. Ele a incentivou a explorar gêneros musicais diferentes", diz a ação.

A ação relata como Fusari teria começado a moldar a imagem de Germanotta, chegando a inspirar o nome Lady Gaga por acaso.

"Um dia, quando Fusari mandou uma mensagem de texto por celular a Germanotta, assinando-a 'Radio Ga Ga', o corretor de texto do celular converteu 'rádio' em 'lady'. Germanotta gostou, e foi assim que nasceu o nome 'Lady Gaga'."

Mas o estresse de trabalhar juntos teria começado a impactar a relação deles, e eles começaram a brigar. Fusari chega a dizer na ação que Lady Gaga foi "verbalmente abusiva". Eles cortaram relações em janeiro de 2007.

Fusari alega que um contrato fechado em 2007 entre a empresa Mermaid Music LLC, de Lady Gaga, e a gravadora Interscope lhe dá direito a 20 por cento dos lucros, uma parcela do merchandising e outras receitas. Ele também pede royalties e honorários de produtor que afirma nunca terem sido pagos.

O produtor já ajudou a produzir música para Bone Thugs-N-Harmony, Will Smith e Destiny's Child, segundo relatos diversos da mídia.

Não foi possível obter declarações imediatas de uma representante de Lady Gaga.

(Reportagem de Basil Katz)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host