UOL Notícias Notícias
 

24/03/2010 - 10h06

Israel considera repor agente do Mossad expulso por Grã-Bretanha

JERUSALÉM (Reuters) - O diplomata israelense que a Grã-Bretanha pretende expulsar por conta de passaportes britânicos falsificados usados por supostos assassinos do comandante do Hamas em Dubai é um agente do Mossad que Israel poderá substituir, informou a mídia israelense nesta quarta-feira.

O Yedioth Ahronoth, o jornal mais lido em Israel, disse que o agente da inteligência que estava sendo expulso retornaria a Israel depois do feriado da Páscoa judaica, que termina no início do próximo mês.

Israel pode substituir o agente por outro, considerando que os laços entre os dois países não foram gravemente prejudicados, disse o jornal. A Rádio do Exército também divulgou informações semelhantes.

Yigal Palmor, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores israelense, se negou a comentar as afirmações.

O ministro de Relações Exteriores britânico, David Miliband, disse ao Parlamento na terça-feira que havia solicitado que um membro da embaixada israelense "fosse retirado".

Israel não confirmou nem negou participação em janeiro do assassinato de Mahmoud al-Mabhouh, um comandante militar da organização palestina Hamas, em um hotel em Dubai.

O chefe da polícia de Dubai afirmou ter certeza quase absoluta de que agentes israelenses estavam envolvidos no caso e acusou a agência de inteligência Mossad de insultar Dubai.

Autoridades do emirado entregaram nomes de 27 supostos membros da equipe que matou o palestino, e disseram que passaportes britânicos, irlandeses, franceses, alemães e australianos falsificados haviam sido usados para que eles entrassem e saíssem de Dubai.

Miliband disse que havia "motivos convincentes" para acreditar que Israel era responsável por forjar os 12 passaportes britânicos usados e disse ter buscado garantias de Israel de que não aconteceria novamente.

Israel disse que lamentava a decisão da Grã-Bretanha, mas analistas disseram nesta quarta-feira que acreditam que o incidente não prejudicaria de forma significante os laços bilaterais.

"Atribuímos grande importância às relações com a Grã-Bretanha", afirmou em comunicado o ministro de Relações Exteriores israelense, Avigdor Lieberman, na terça-feira. "Não recebemos nenhuma prova apontando o envolvimento de Israel na questão (do assassinato de Mabhouh)," disse ele.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host