UOL Notícias Notícias
 

05/04/2010 - 20h37

Premiê britânico convoca eleição para 6 de maio, diz fonte

Por Matt Falloon

LONDRES (Reuters) - O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, anunciará na terça-feira que a eleição parlamentar será em 6 de maio, afirmou uma fonte do Partido Trabalhista nesta segunda-feira.

Brown fará o anúncio da data do pleito após uma reunião com a rainha Elizabeth, na qual discutirá a dissolução do Parlamento, disse a fonte.

Por esse cronograma, o Parlamento será dissolvido na próxima segunda-feira, dando tempo para a conclusão de atividades legislativas essenciais antes da eleição, segundo essa fonte.

As pesquisas sugerem que o Partido Trabalhista, no poder desde 1997, se encaminha para uma derrota eleitoral frente à oposição conservadora, mas analistas dizem que o resultado final está indefinido, e que pode até mesmo surgir um raro governo minoritário.

"Continuamos sendo os azarões nesta eleição", disse a fonte trabalhista.

Um Parlamento dividido, sem que um partido tenha maioria absoluta, é o pior cenário para os mercados financeiros, já que o impasse político pode prejudicar os esforços pela redução do déficit público recorde, atualmente em torno de 12 por cento do Produto Interno Bruto (PIB).

A economia até agora domina o clima pré-eleitoral, com ambos os lados argumentando sobre qual seria a melhor forma de reduzir o déficit sem ameaçar a recuperação, após uma recessão de 18 meses.

O Partido Trabalhista promete reduzir o déficit pela metade em quatro anos, mas adiando cortes de gastos até 2011, quando a economia deve estar mais preparada para se manter sem apoio governamental.

Os conservadores dizem que adiar os cortes nos gastos abalará a confiança dos investidores e ameaçará o rating AAA do crédito britânico, pressionando os juros para cima e afetando as perspectivas econômicas.

Brown, que substituiu Tony Blair em 2007, luta para manter uma ainda tímida recuperação de sua popularidade. Um escândalo envolvendo gastos de parlamentares de vários partidos e a devastadora crise econômica e financeira foram fatores que abalaram o seu mandato.

Os conservadores, outrora franco favoritos na eleição, admitem agora que a disputa pode ser muito apertada. O partido tem sido criticado por prometer mudanças sem dar detalhes.

Um resultado inconclusivo pode fazer com que os Liberal Democratas, segunda maior força da oposição, se torne o fiel da balança em um governo de coalizão --algo raro no sistema político britânico, que tende a favorecer o bipartidarismo, com apenas um partido dominando o governo e o outro na oposição.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h39

    0,31
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    15h49

    -0,42
    64.662,13
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host