UOL Notícias Notícias
 

06/04/2010 - 10h06

Irã diz que ameaça de sanção ao petróleo é "piada"

Por Robin Pomeroy e Hashem Kalantari

TEERÃ (Reuters) - A ideia de impor sanções às exportações de petróleo do Irã é uma piada, disse uma autoridade do país na terça-feira, acrescentando que o Irã não irá abandonar sua atividade nuclear, a despeito da crescente pressão internacional.

Suspeitando do desenvolvimento de armas atômicas, os EUA e seus aliados ocidentais querem que a ONU adote uma quarta rodada de sanções às atividades nucleares do Irã, que no entanto insiste no caráter pacífico do seu programa.

O porta-voz da chancelaria iraniana disse que restringir as exportações iranianas de gás e petróleo - uma ideia que não está incluída nas últimas propostas definidas pelas potências ocidentais - é "ilógica", e que todas as sanções irão fracassar.

"Os países precisam do petróleo para garantir seu crescimento econômico (...). Falar em impor sanções ao setor petrolífero do Irã é como uma piada", disse Ramin Mehmanparast na sua entrevista coletiva semanal. "Tal medida prejudicaria outros países (importadores)."

"Impor sanções ao Irã é uma medida ilógica e politicamente motivada (...). O Irã jamais abandonará suas atividades nucleares por causa de sanções."

Os EUA já se proíbem de importar gás e petróleo do Irã, mas o país, quinto maior exportador de petróleo do mundo, tem ávidos compradores mundo afora. A cotação do petróleo bruto atingiu na segunda-feira sua maior cotação em 18 meses, aproximando-se de 87 dólares, num reflexo da crescente confiança na recuperação econômica global.

Um alto executivo da Companhia Nacional Iraniana do Petróleo disse na segunda-feira que as sanções que abalarem o fornecimento de petróleo bruto irão "levar a uma intensificação e prolongamento da recessão econômica" nos países consumidores.

As novas propostas aceitar por EUA, Grã-Bretanha, França e Alemanha incluem restrições também a bancos iranianos no exterior e ao seguro de cargas de e para o Irã.

Comentando a possível restrição à importação de derivados do petróleo no Irã, o ministro do setor, Masoud Mirkazemi, disse que o país tem refinarias suficientes para evitar grandes transtornos. "O Irã tem capacidade de produzir combustível em caso de emergência," afirmou ele a uma rádio estatal.

Em entrevista na terça-feira ao jornal The New York Times, o presidente dos EUA, Barack Obama, disse que deseja sanções da ONU que sejam capazes de pressionar o Irã a abandonar seu programa, que segundo ele, "lhes forneceria capacidades para (ter) armas nucleares."

Ao anunciar os novos limites autoimpostos pelos EUA para o uso das suas próprias armas nucleares, ele disse que isso não se aplicaria a países "isolados, como Irã e Coreia do Norte."

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,56
    3,261
    Outras moedas
  • Bovespa

    18h21

    1,28
    73.437,28
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host