UOL Notícias Notícias
 

09/04/2010 - 10h12

Temendo censura, Netanyahu evita cúpula nuclear de Obama

Por Dan Williams

JERUSALÉM (Reuters) - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, desistiu de participar da cúpula nuclear da semana que vem em Washington, temendo que governos de países islâmicos usem o evento para cobrar o desarmamento israelense.

A Cúpula da Segurança Nuclear, convocada pelo presidente Barack Obama, irá reunir 47 países. Segundo uma fonte oficial de Israel, Netanyahu soube que "alguns países, inclusive Egito e Turquia, planejam dizer que Israel precisa assinar o TNP (Tratado de Não-Proliferação Nuclear)", e por isso decidiu enviar um adjunto em seu lugar.

Por não ter aderido ao TNP, de 1970, Israel evita a obrigação de renunciar às armas nucleares ou de admitir inspeções internacionais em seu reator nuclear de Dimona, que supostamente abasteceria o único arsenal nuclear do Oriente Médio.

A participação de Netanyahu na cúpula de 12 e 13 de abril seria algo inédito. Os primeiros-ministros israelenses em geral evitam esse tipo de fórum, para atenuar as críticas às políticas nucleares secretas do país.

Assessores disseram que Netanyahu originalmente aceitara participar, depois de receber garantias dos EUA de que o comunicado final da cúpula focaria os esforços para a guarda segura de materiais físseis, sem contestar a "ambiguidade" nuclear de Israel --termo que o próprio país emprega.

O Egito não se manifestou sobre a ausência de Netanyahu, mas a Turquia confirmou que abordará o assunto da capacidade nuclear israelense em Washington.

"A Turquia afirma que Israel deveria estar livre de armas nucleares, como todos os países na região, e esta visão será expressa na cúpula", disse um porta-voz da chancelaria.

Mas, segundo essa fonte, não existe uma iniciativa conjunta de Turquia e Egito para pressionar Israel a assinar o TNP.

Um porta-voz da Casa Branca elogiou a participação do vice-premiê israelense Dan Meridor na cúpula, acrescentando que "Israel é um aliado próximo (dos EUA), e esperamos continuar trabalhando em proximidade a respeito de questões relacionadas à segurança nuclear."

Netanyahu visitou Washington no final de março para uma discreta reunião com Obama sobre como retomar o processo de paz entre palestinos e israelenses. Não houve acordo, e as relações entre os dois aliados continuam abaladas.

Obama não havia programado reuniões de trabalho com Netanyahu na semana que vem, mas o líder israelense havia considerado que seria proveitoso ir à cúpula.

"Essa conferência é sobre terrorismo nuclear", disse Netanyahu a jornalistas na quarta-feira. "E não estou preocupado de que alguém irá pensar que Israel é um regime terrorista. Todo mundo reconhece um regime terrorista e descontrolado quando o vê, e, acreditem, vários são vistos ao redor de Israel."

(Reportagem adicional de Joseph Nasr em Jerusalém, Tulay Karadeniz em Konya, Turquia, e Steve Holland em Nova Orleans)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host