UOL Notícias Notícias
 

10/04/2010 - 15h44

Serra critica "inadequações" na economia e prega investimentos

* Pré-candidato do PSDB defende inversões em infraestrutura

* Alerta para risco de déficit na balança de pagamentos

* Quer mais acordos de livre comércio e pretende cultivar a austeridade fiscal

Por Fernando Exman

BRASÍLIA (Reuters) - O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, dedicou boa parte de seu discurso de lançamento, neste sábado, a propostas para a economia. O tucano criticou a política macroeconômica do governo Luiz Inácio Lula da Silva e defendeu o aumento dos investimentos públicos.

O ex-governador de São Paulo, que tenta pela segunda vez a disputa pela Presidência, deu início à sua pré-campanha durante evento realizado em Brasília, em um auditório lotado onde estiveram presentes militantes e lideranças políticas dos partidos que sustentarão sua candidatura --PSDB, DEM e PPS.

Serra lidera as pesquisas de intenção de votos para a eleição de outubro, seguido por Dilma Rousseff (PT).

Nenhum dos dois candidatos tem tendência a alterar a atual política macroeconômica, que deu estabilidade ao país nos últimos anos.

"Temos inflação baixa, mais crédito e reservas elevadas, o que é bom, mas para que o crescimento seja sustentado nos próximos anos não podemos ter uma combinação perversa de falta de infraestrutura, inadequações da política macroeconômica, aumento da rigidez fiscal e vertiginoso crescimento do déficit do balanço de pagamentos", discursou o tucano.

"Quem governa, deve acreditar no planejamento de suas ações. Cultivar a austeridade fiscal, que significa fazer melhor e mais com os mesmos recursos. Fazer mais do que repetir promessas."

Serra afirmou que as exportações brasileiras precisam crescer mais. "Temos de romper pontos de estrangulamento e atuar de forma mais agressiva na conquista de mercados", sublinhou, acrescentando que o Mercosul só assinou um acordo de livre comércio nos últimos anos, enquanto outros países avançaram muito mais na abertura de mercados para seus produtos.

"Lembro que os investimentos governamentais no Brasil, como proporção do PIB (Produto Interno Bruto), ainda são dos mais baixos do mundo em desenvolvimento. Isso compromete ou encarece a produção, as exportações e o comércio", destacou Serra.

Para ele, a economia brasileira poderia apresentar maiores índices de expansão se a infraestrutura do país estivesse em boas condições.

"Há uma quase unanimidade a respeito das carências da infraestrutura brasileira: no geral, as estradas não estão boas, faltam armazéns, os aeroportos vivem à beira do caos, os portos, por onde passam nossas exportações e importações, há muito deixaram de atender as necessidades", frisou.

No entanto, Serra afirmou que o desenvolvimento deve ser sustentável, com desenvolvimento que preserve o meio ambiente.

Em seu primeiro discurso como pré-candidato, Serra também rechaçou a tentativa do governo de transformar a eleição de outubro em uma espécie de plebiscito, como que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele também prometeu melhorias na saúde, educação e segurança pública. Leia em .

(Reportagem adicional de Natuza Nery, Maria Carolina Marcello e Bruno Peres; Edição de Carmen Munari)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host