UOL Notícias Notícias
 
06/05/2010 - 15h51

Voluntários, militares e BP se unem contra mancha de petróleo

Por Matthew Bigg

VENICE, Estados Unidos (Reuters) - Operários, voluntários e militares terão nesta quinta-feira mais um dia de combate à mancha de petróleo que ameaça a costa sul dos EUA, enquanto surgem questionamentos à prática das autoridades de isentarem alguns projetos petrolíferos de apresentarem relatórios de impacto ambiental, como foi o caso do poço da BP que está jorrando petróleo no golfo do México.

Políticos continuam pressionando a empresa britânica a limitar os prejuízos ambientais e econômicos do acidente. A empresa de perfuração Transocean disse que o Departamento de Justiça dos EUA lhe pediu para preservar todos os registros relativos à perfuração do poço e à explosão que provocou o naufrágio da plataforma de exploração que havia no local do acidente, há duas semanas.

Na quarta-feira, a BP começou a transportar um enorme equipamento metálico que irá canalizar parte do petróleo que sai do poço para um navio na superfície. O equipamento levará cerca de 12 horas para chegar ao local do acidente, na costa da Louisiana. Depois de instalado, ele deve começar a recolher o petróleo na segunda-feira, segundo Doug Suttles, diretor de operações da BP.

Ele alertou, no entanto, que não há garantias de que a peça de 98 toneladas irá funcionar a mais de 1,5 quilômetro de profundidade.

Os ventos mantêm a mancha afastada da costa, praticamente parada. "Se você olhar a nossa trajetória para as próximas 72 horas, ela não mostra muito movimento a partir de onde está agora", disse o meteorologista Charlie Henry, da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica.

O bom tempo permitiu também uma série de "queimas controladas" do material na quarta-feira, algo que não havia sido tentado desde o acidente de 28 de abril, que deixou 11 desaparecidos.

Também na quarta-feira, cresceram os questionamentos à decisão do Serviço de Gestão Mineral de isentar a BP de apresentar um detalhado relatório de impacto ambiental para o malfadado projeto, já que as autoridades entenderam que havia poucos riscos envolvidos. Membros do governo dizem que esse tipo de isenção está sendo revisto.

O Departamento do Interior disse que o Serviço de Gestão Mineral dispensou a BP do relatório porque já havia realizado avaliações detalhadas na região anteriormente.

A BP já conseguiu conter um dos três vazamentos no poço, que, no entanto, continua jorrando quase 800 mil litros de petróleo por dia no mar. A empresa começou a escavar um poço alternativo, o que pode levar dois a três meses.

Em vários pontos do golfo do México, técnicos colocam varas flutuantes na água, para conter a mancha, e usam dispersantes. O petróleo ameaça atingir ecossistemas valiosos, e também áreas onde há grande atividade econômica ligada à pesca e ao turismo.

(Reportagem adicional de Matt Daily em Nova York e Tom Bergin em Londres; Anna Driver e Chris Baltimore em Houston; Tom Brown e Pascal Fletcher em Miami; Michael Peltier em Pensacola; Brian Snyder em Mobile; e Richard Cowan in Washington)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host