UOL Notícias Notícias
 

10/05/2010 - 15h38

Brown anuncia saída para manter trabalhistas no poder

Por Tim Castle e Sumeet Desai

LONDRES (Reuters) - O primeiro-ministro Gordon Brown disse na segunda-feira que renunciará este ano, sacrificando-se para tentar dar ao Partido Trabalhista uma chance de formar um governo com os liberais democratas.

Os conservadores têm conversado com os liberais democratas para tentar formar um governo, mas Brown disse em um discurso dramático feito na frente de sua residência oficial, no número 10 da Downing Street, que os liberais democratas também queriam conversar com os trabalhistas.

Liderados por David Cameron, os conservadores ganharam a maior parte dos assentos no Parlamento, mas não conseguiram obter a maioria na eleição da semana passada.

Os trabalhistas vieram em segundo e o partido menor dos liberais democratas, liderado por Nick Clegg, conquistou um distante terceiro lugar.

"O sr. Clegg acabou de me informar que, embora ele tenha a intenção de continuar com seu diálogo iniciado com os conservadores, ele agora deseja também levar adiante discussões formais com o Partido Trabalhista", disse Brown, acrescentando que apoiaria essas conversações.

"Não desejo permanecer na minha posição mais do que for necessário para garantir a manutenção da via para o crescimento econômico e para que o processo de reforma política ao qual aprovamos avance rapidamente", disse Brown.

"Como líder do meu partido, devo aceitar que isso (o resultado da eleição) é um julgamento sobre mim. Eu, portanto, pretendo solicitar ao Partido Trabalhista que dê o início ao processo necessário para a eleição de sua própria liderança", afirmou ele.

Brown não indicou uma data precisa para sua saída, mas afirmou que espera que isso ocorra antes da conferência do Partido Trabalhista, que está marcada para o fim de setembro.

A moeda britânica registrou queda e os títulos do governo atingiram a maior baixa da sessão após as declarações de Brown. Os mercados esperavam um acordo rápido entre os conservadores e os liberais democratas e não apreciarão a perspectiva de novos adiamentos enquanto ocorrer as conversas paralelas entre os liberais democratas e os trabalhistas.

Mais cedo, parlamentares liberais democratas haviam dito que buscavam um esclarecimento dos negociadores do partido sobre um possível acordo com os conservadores.

"Embora sejamos muito cientes da necessidade de tomar essas decisões rapidamente, e isso é uma decisão clara do partido parlamentar hoje, nós também queremos assegurar que resolvamos direito essas coisas", disse o parlamentar liberal democrata David Lewis.

Negociadores conservadores e liberais democratas haviam afirmado mais cedo que tinham avançado nas conversações para chegar a um acordo de compartilhamento de poder, embora outros haviam pedido cautela sobre a possível rapidez para selar um acordo.

(Reportagem adicional de Keith Weir, Michael Holden, Adrian Croft, David Milliken e Fiona Shaikh)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host