UOL Notícias Notícias
 
15/05/2010 - 16h42 / Atualizada 15/05/2010 - 16h42

Aumenta a violência na Tailândia em meio a novos protestos

BANGCOC (Reuters) - Tropas tailandesas atiraram contra manifestantes neste sábado no terceiro dia de protestos nas ruas de Bangcoc, que já levaram à morte de 24 pessoas, enquanto soldados lutam para isolar um grupo cada vez maior de pessoas buscando a queda do governo.

Soldados, muitos escondidos atrás de sacos de areia, atiravam em centenas de manifestantes que jogavam bombas de gasolina, pedras e mísseis caseiros na normalmente congestionada rua Rama iV, próximo ao distrito financeiro da cidade.

Um voluntário médico foi atingido e pode estar morto, e pelo menos quatro outros manifestantes também estão gravemente feridos, incluindo um que levou um tiro na cabeça, segundo testemunhas.

Testemunhas também afirmavam que os soldados tinham a vantagem na briga, com seus rifles automáticos, facilmente se esquivando dos mísseis e atirando contra seus agressores. O exército também já pedia reforços.

"Continuaremos lutando", disse Kwanchai Praipana, um líder dos manifestantes de camisa vermelha, que pedem que Abhisit renuncie e tome responsabilidade pela crise política, a pior em 18 anos no país.

Ele afirmou que o suprimento de comida, água e combustível estava começando a diminuir já que os caminhões de entrega tiveram o caminho bloqueado, mas disse que ainda há o suficiente para durar alguns dias.

Outros moradores também se surpreenderam ao ver sua cidade, um dos maiores centros urbanos e turísticos do mundo, virar uma zona de guerra.

O ministério da Saúde informou que pelo menos 24 pessoas foram mortas e outras 179 foram feridas.

Antes do início dos protestos na quinta-feira, devido ao ataque contra um ex-general aliado aos manifestantes, a crise que já atinge a Tailândia há dois meses já havia matado 29 pessoas e ferido 1.400 --a maioria das quais morreram em uma troca de tiros em 10 de abril em um dos bairros mais antigos de Bangcoc.

O governo do Canadá pressiona ambos os lados para voltarem às negociações após um jornalista canadense ter sido atingido por três tiros. Outros três jornalistas se feriram durante os protestos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    13h49

    0,39
    3,170
    Outras moedas
  • Bovespa

    13h58

    0,39
    74.733,02
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host