UOL Notícias Notícias
 
19/05/2010 - 16h09 / Atualizada 19/05/2010 - 16h09

Brasil crescerá 6% em 2010 e liderará retomada global--Mantega

MADRI (Reuters) - O Brasil recuperou suas taxas de crescimento econômico pré-crise e espera para este ano uma expansão do Produto Interno Bruto (PIB) próximo de 6 por cento, disse nesta quarta-feira o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

"Temos que ser prudentes e estimamos para este ano um crescimento da ordem de 5,5 a 6 por cento", afirmou Mantega em um fórum de investidores em Madri, ponderando que circulam no mercado previsões mais otimistas que apontam uma expansão entre 6,5 e 7 por cento.

O ministro disse que o Brasil, junto com a China, Índia e Rússia --que formam o grupo chamado Bric--, vai liderar a recuperação global neste ano.

"Os países emergentes responderão por dois terços do crescimento mundial em 2010", afirmou Mantega.

Ele aproveitou o evento para apresentar aos investidores as contas saneadas da principal economia latino-americana.

"O Brasil cresce, mas não como um louco, e sim com uma inflação controlada e com a dívida controlada", disse Mantega.

Em maio, as reservas internacionais brasileiras se aproximaram de 250 bilhões de dólares, superando com folga os passivos externos do país e preparando o caminho para reduzir a dívida pública líquida para 40 por cento do PIB, segundo o ministro.

De fato, o Brasil, tradicional receptor de recursos do Fundo Monetário Internacional (FMI), agora faz aporte de divisas ao organismo multilateral.

E enquanto a maioria dos países industrializados luta contra déficits fiscais superiores a 3 por cento do PIB, o saldo orçamentário negativo do Brasil provavelmente ficará no final deste ano em 1,5 por cento do PIB, "o déficit mais baixo de todo o G20", disse.

Mantega afirmou ainda que o saneamento das contas vem acompanhado este ano de um forte crescimento do emprego --950 mil novos postos de trabalho no primeiro quadrimestre.

Segundo o ministro, o endividamento relativamente baixo do Brasil, a demanda pujante por novas casas e os investimentos previstos em grandes obras de infraestrutura --no valor de 450 bilhões de dólares entre 2011 e 2014-- assentarão as bases para que a economia brasileira alcance nos próximos anos as nações industrializadas.

Em 2020, o Brasil poderia superar a Itália, segundo o Goldman Sachs, e em 2025, para Mantega, será a quinta ou quarta maior economia do mundo.

Essas perspectivas de crescimento têm atraído os investidores estrangeiros e aumentado em 10 vezes o volume de operações na Bovespa na última década.

"Hoje a bolsa do Brasil é a principal praça acionária da América Latina", garantiu Mantega.

De fato, empresas brasileiras como Petrobras, Itaú Unibanco ou Vale se transformaram nos últimos anos em campeãs globais e agora alcançam ou superam a capitalização de empresas semelhantes como o Banco Paribas, Royal Dutch Shell ou Rio Tinto.

(Reportagem de Robert Hetz)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h59

    -0,09
    3,143
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h03

    0,24
    68.882,74
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host