UOL Notícias Notícias
 
26/05/2010 - 17h44 / Atualizada 26/05/2010 - 17h44

SAIBA MAIS-Por que a Rússia se afastou do Irã?

Por Michael Stott

MOSCOU (Reuters) - A invectiva do Irã contra a Rússia nesta quarta-feira pelo apoio a novas sanções da Organização das Nações Unidas (ONU) demonstrou como os antigos aliados agora brigam publicamente.

O presidente Mahmoud Ahmadinejad emitiu uma rara repreensão pública a seu colega russo Dmitry Medvedev, dizendo que ele deveria "agir com mais cautela" e "pensar mais." O Kremlin respondeu afirmando que Ahmadinejad deveria abster-se da "demagogia política."

Abaixo, algumas perguntas e respostas sobre o porquê e como Moscou mudou de posição com relação ao Irã:

IRÃ E RÚSSIA NÃO ERAM ALIADOS?

A Rússia é um importante parceiro comercial do Irã. O comércio bilateral chegou a 3 bilhões de dólares no ano passado, com Moscou vendendo tecnologia nuclear, aeronaves e outros produtos para a República Islâmica.

O Irã e a Rússia também estão entre os principais produtores mundiais de petróleo e gás e têm cooperado nessa área.

Na arena diplomática, a Rússia resistiu em 2008 e no começo de 2009 a novas sanções da ONU contra Teerã e minimizou as sugestões de que o Irã usava o programa nuclear para construir bombas.

A RÚSSIA SE OPÔS A UMA BOMBA IRANIANA?

As autoridades russas sempre insistiram que Moscou --que tem um grande problema com o terrorismo islâmico-- não quer que um poderoso país islâmico perto de sua instável fronteira no sul tenha armas nucleares. Até o ano passado, no entanto, a Rússia não acreditava nas avaliações norte-americanas de que era provável que isso acontecesse.

PUTIN NÃO COLOCOU DE LADO QUALQUER AMEÇA NUCLEAR VINDA DO IRÃ?

Em outubro de 2007, ainda na Presidência, Vladimir Putin tornou-se o primeiro líder do Kremlin a visitar o Irã desde Stalin, dando um apoio sorridente a Ahmadinejad, advertindo os Estados Unidos sobre qualquer ação militar e defendendo o direito do Irã em prosseguir com um programa nuclear civil.

A RÚSSIA ACREDITAVA QUE O IRÃ TENTAVA FABRICAR UMA BOMBA?

O secretário de Defesa norte-americano, Robert Gates, contou sobre um encontro que teve em 2007 com Putin:

"Quando eu me reuni com o presidente Putin e falei sobre isso, ele basicamente rejeitou a ideia de que os iranianos teriam um míssil com alcance para atingir boa parte da Europa Ocidental e da Rússia antes de 2020, mais ou menos", afirmou ele num depoimento ao Senado norte-americano no ano passado.

"E ele me mostrou um mapa preparado pelos caras da inteligência dele. E eu lhe disse que ele precisava de um novo serviço de inteligência."

QUANDO ISSO COMEÇOU A MUDAR?

Nos dois anos após aquele encontro, a Rússia começou a mudar sua avaliação sobre o programa iraniano. Entretanto, em junho de 2009, Moscou ainda estava satisfeita em receber Ahmadinejad para uma cúpula de países do BRIC na Sibéria e o parabenizou pela reeleição. A mudança de fato na política com relação ao Irã parece ter iniciado ao longo do último verão em Moscou.

A ELEIÇÃO DE OBAMA ALTEROU ALGUMA COISA?

Quando o presidente norte-americano, Barack Obama, chegou ao poder em janeiro de 2009, ele prometeu "reiniciar" as relações com a Rússia. Isso significou concessões a Moscou, tais como voltar atrás nos planos de defesa antimíssil da era Bush no Leste Europeu e aceitar a influência russa na ex-União Soviética, em troca da ajuda de Moscou nos problemas internacionais como o programa nuclear iraniano e o Afeganistão. Os laços entre os dois países melhoraram drasticamente.

MAS A RÚSSIA NÃO RESISTIA ÀS SANÇÕES ATÉ O ANO PASSADO?

Apesar de as autoridades russas aparentemente resistirem à pressão ocidental com relação ao Irã, embaixadores do Ocidente em Moscou falavam com confiança no ano passado sobre como a Rússia havia ajudado e apoiado na questão do Irã. Parece que Moscou dava garantias privadas de apoio ao Ocidente no caso do Irã algum tempo antes de mudar sua posição pública.

O anúncio do Ocidente, em setembro, sobre a descoberta de uma nova usina nuclear secreta iraniana perto da cidade sagrada de Qom solapou ainda mais a confiança de Moscou no Irã. A Rússia afirmou que a usina violava as decisões do Conselho de Segurança da ONU e era "fonte de séria preocupação." Em novembro de 2009, Moscou apoiou uma resolução da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) condenando a iniciativa.

MEDVEDEV FAZ DIFERENÇA?

O forte relacionamento pessoal de Medvedev com Obama tornou mais fácil para os dois líderes aprovarem uma posição comum sobre o Irã. O presidente russo falou pela primeira vez sobre novas sanções contra o Irã em setembro e as mencionou novamente durante uma visita aos Estados Unidos no mesmo mês.

Após assinar um tratado de redução de armas nucleares com Obama no mês passado, Medvedev afirmou lamentar que o Irã não estava respondendo a propostas construtivas sobre o seu programa nuclear. O Irã reclamou que a Rússia está cedendo à pressão norte-americana.

A RÚSSIA AINDA NÃO FORNECE TECNOLOGIA NUCLEAR AO IRÃ?

Moscou tem um contrato de 1 bilhão de dólares com Teerã para construir e iniciar uma usina nuclear em Bushehr, no Irã. A usina está prevista para começar a funcionar em agosto, após numerosos adiamentos, os quais um parlamentar iraniano disse que eram resultado de a Rússia usar o Irã como penhor nas negociações com as outras potências como os EUA.

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, reclamou sobre a inauguração de Bushehr prevista para o verão (no Hemisfério Norte) quando visitou Moscou em março, mas os diplomatas ocidentais dizem reservadamente que a Rússia ofereceu salvaguardas satisfatórias contra o uso da usina para fins militares.

A RÚSSIA NÃO IA VENDER AO IRÃ UM SISTEMA DE DEFESA AÉREO?

Moscou assinou um contrato em 2007 para vender ao Irã o S-300, um moderno sistema de mísseis superfície-ar que pode ser usado para derrubar múltiplos foguetes e aeronaves. No entanto, a Rússia ainda não cumpriu o contrato e enviados ocidentais afirmam ter garantias feitas reservadamente por Moscou de que não o fará.

O QUE FEZ A RÚSSIA APROVAR AS SANÇÕES CONTRA O IRÃ DESTA VEZ?

Uma autoridade do Kremlin afirmou neste mês que, se Washington quisesse o apoio de Moscou para as novas sanções contra o Irã, precisaria suspender o banimento comercial norte-americano contra quatro empresas de armas russas. Washington suspendeu as sanções na sexta-feira da semana passada, embora as autoridades norte-americanas continuem a negar qualquer ligação direta com a questão das sanções ao Irã.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    09h29

    -0,30
    3,269
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,95
    63.257,36
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host