UOL Notícias Notícias
 
27/05/2010 - 21h50 / Atualizada 27/05/2010 - 21h50

Protesto contra reforma previdenciária atrai multidão na França

Por Gerard Bon

PARIS (Reuters) - Centenas de milhares de trabalhadores foram às ruas das cidades francesas na quinta-feira para protestar contra a proposta de elevação da idade mínima para aposentadoria, parte crucial da reforma previdenciária que o governo deseja.

Sindicalistas disseram que as passeatas foram o primeiro passo em uma longa luta para defender a aposentadoria a partir dos 60 anos, estabelecida no governo do socialista François Mitterrrand.

O atual governo conservador diz que elevar essa idade mínima é a única forma de controlar o déficit da previdência.

Os sindicatos, que já diziam ter reunido 800 mil pessoas em 23 de março, estimaram desta vez o comparecimento em cerca de 1 milhão no país inteiro.

A polícia disse que o total foi de 395 mil pessoas, e o governo buscou minimizar o protesto. "Claramente tivemos um comparecimento fraco neste dia", afirmou o porta-voz Luc Chatel a uma rádio.

Já Bernard Thibault, dirigente da poderosa central CGT, qualificou a jornada como um sucesso, e acenou com mais protestos. "Só uma demonstração de força nas ruas pode defender a aposentadoria aos 60 anos e as conquistas sociais que (o presidente) Nicolas Sarkozy está metodicamente atacando", disse ele.

O sindicato dele estimou que na capital, sob chuva, a manifestação teve 90 mil participantes. A polícia falou em 22 mil.

Empresas públicas disseram que 10 a 20 por cento de seus funcionários faltaram, mas os transportes funcionavam praticamente sem alterações.

O ministro do Orçamento, François Baroin, disse na quinta-feira que uma reforma previdenciária deve ser debatida pelo Parlamento após o recesso do meio do ano.

Sarkozy deu uma conotação partidária à questão na quarta-feira ao declarar, sob estridentes protestos da oposição socialista, que a Franca teria "muito menos problemas" se Mitterrand não tivesse reduzido a idade mínima de aposentadoria de 65 para 60 anos em 1983.

A líder do Partido Socialista, Martine Aubry, participou da passeata em Lille, onde é prefeita. Houve grandes manifestações também em Marselha, Rouen, Bordéus, Rennes e outras cidades, todas com maior participação do que em março.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h10

    0,44
    3,143
    Outras moedas
  • Bovespa

    15h16

    -0,58
    75.560,97
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host