UOL Notícias Notícias
 
31/05/2010 - 21h52 / Atualizada 31/05/2010 - 23h05

Conselho de Segurança da ONU discute ataque de Israel a barcos

Por Louis Charbonneau e Patrick Worsnip

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - O Conselho de Segurança da ONU fez nesta segunda-feira uma reunião de emergência para discutir o ataque de Israel a embarcações que tentavam levar ajuda humanitária a Gaza. A maioria dos 15 integrantes do Conselho pediu uma investigação completa do incidente, que causou a morte de pelo menos nove ativistas pró-palestinos.

Após uma reunião aberta de 90 minutos, o Conselho passou a uma consulta a portas fechadas. Diplomatas disseram que a negociação gira em torno do texto de uma declaração final, que deve incluir se a investigação deve ser independente e como atribuir culpa pelo incidente.

Muitos diplomatas reiteraram declarações anteriores de seus governos condenando ou criticando a ação israelense, e alguns cobraram o fim imediato do embargo econômico de três anos de Israel contra Gaza.

"Isso é equivalente a bandidagem e pirataria", disse Ahmet Davutoglu, chanceler da Turquia, país de onde havia partido a frota naval e de onde era a maioria dos mortos. "É um assassinato conduzido por um Estado."

Os Estados Unidos, maior aliado de Israel no mundo, falaram em termos mais brandos. O embaixador adjunto Alejandro Wolff disse que Washington lamenta profundamente a perda de vidas, e defendeu uma "investigação crível e transparente" por parte de Israel.

Mas ele criticou os organizadores da frota por terem tentado violar o bloqueio israelense contra Gaza. "A entrega direta por mar não é adequada nem responsável e, certamente, não é eficaz sob as circunstâncias."

O embaixador adjunto de Israel na ONU, Daniel Carmon, disse ao Conselho que a frota era "qualquer coisa menos" uma missão humanitária. Seus organizadores, acusou ele, "cinicamente usaram o disfarce da ajuda humanitária para enviar uma mensagem de ódio e implementar a violência."

O diplomata afirmou ainda que alguns organizadores são ligados a organizações terroristas, e que foram eles que obrigaram Israel a realizar uma "medida preventiva para conter a violação ilegal do bloqueio."

A sessão do Conselho foi convocada a pedido de Turquia e Líbano, membros temporários.

O observador palestino na ONU, Ryiad Mansour, disse a jornalistas antes da reunião que esperava uma ação imediata do Conselho.

"Esperamos que o Conselho de Segurança (...) leve Israel a se responsabilizar (...) e condene esta ação." Israel, acrescentou ele, "deve suspender o cerco ao nosso povo em Gaza."

Mansour representa a Autoridade Palestina, que não tem controle sobre a Faixa de Gaza, a qual é governada pelo grupo islâmico Hamas.

Funcionários da ONU já haviam criticado anteriormente o bloqueio à Faixa de Gaza, uma vez que as restrições ao comércio estariam causando uma crise humanitária. Carmon disse que "não há crise humanitária" na Faixa de Gaza.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    13h59

    -0,37
    3,157
    Outras moedas
  • Bovespa

    14h06

    2,15
    70.106,99
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host