UOL Notícias Notícias
 
02/06/2010 - 21h25 / Atualizada 02/06/2010 - 21h25

BP supera problema em nova operação para conter óleo no Golfo

Por Ed Stoddard

VENICE, Estados Unidos (Reuters) - A empresa British Petroleum superou nesta quarta-feira um problema que ameaçava sua nova tentativa de recolher o petróleo que jorra no Golfo do México, por onde se espalha uma enorme mancha que já ameaça a Flórida.

O novo plano consiste em encaixar um cano na boca do poço. Mas para isso será necessário que robôs submarinos serrem encanamentos já existentes, o que pode aumentar ao menos temporariamente o volume de petróleo que jorra. Em seguida será colocada uma espécie de cúpula que canalizará o petróleo até navios na superfície.

Mas a serra de diamante que faz o trabalho emperrou. A BP usou seus robôs e passou horas lutando para liberá-la, até que a tarefa afinal foi concluída, segundo relatou à Reuters uma fonte próxima da operação.

O importante para a BP é criar uma superfície lisa sobre a qual será possível colocar uma "tampa" com vedação de borracha, conjunto que funcionará como uma espécie de funil. Fazer tudo isso a 1.600 metros de profundidade é uma operação dificílima.

A nova também inclui uma válvula pela qual os técnicos podem injetar metanol ou água quente, evitando o acúmulo de hidratos (petróleo semicongelado) que "entupiam" o encanamento numa tentativa anterior desse tipo. A tampa pode levar mais 72 horas para entrar em operação.

O vazamento, maior na história dos EUA, começou em 20 de abril, quando uma plataforma petrolífera no local explodiu e afundou, deixando 11 mortos. Pelas atuais estimativas, cerca de 3 milhões de litros diários de petróleo jorram no fundo do mar, ameaçando causar enormes prejuízos ambientais e econômicos.

Até agora, o Estado mais afetado é a Louisiana. Bolas de piche e outros restos de petróleo chegaram à ilha Dauphin, no Alabama, e em partes do Mississippi. A enorme e fragmentada mancha também já se encontra a menos de 20 quilômetros da costa noroeste da Flórida, Estado que teme ver afetado o seu importante setor turístico.

Às vésperas das férias de verão, as autoridades da Flórida intensificam os trabalhos de reconhecimento, preparam a instalação de mais barreiras contra o óleo e realizam trabalhos de recuperação do litoral. A previsão é de que a mancha chegue à costa do Estado a partir de sexta-feira.

Tudo isso fez com que desde o acidente a companhia tenha perdido mais de um terço do seu valor de mercado, ou cerca de 67 bilhões de dólares.

(Reportagem adicional de Kristen Hays e Chris Baltimore, em Houston; de Michael Peltier, em Tallahassee; de Jeremy Pelofsky, em Washington; de Verna Gates, em Dauphin Island; e de Joanne Frearson, em Londres)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host