UOL Notícias Notícias
 
03/06/2010 - 21h05 / Atualizada 03/06/2010 - 21h05

OEA condiciona readmissão de Honduras a fim do exílio de Zelaya

Por Marco Aquino

LIMA (Reuters) - A reincorporação de Honduras à Organização dos Estados Americanos (OEA) passa pelo regresso sem represálias do presidente deposto Manuel Zelaya ao seu país, disse nesta quinta-feira o secretário-geral da entidade, José Miguel Insulza.

A OEA suspendeu Honduras há 11 meses por causa do golpe de Estado contra Zelaya, atualmente exilado na República Dominicana.

"Sou partidário do retorno de Honduras à OEA, mas (...) com o retorno de Manuel Zelaya", disse Insulza a jornalistas durante uma conferência no Peru.

"Acho que o caminho, mas sobretudo para muitos países da América do Sul, passa pelo retorno de Zelaya a Honduras, em condições de absoluta tranquilidade", acrescentou.

O Brasil e outros governos sul-americanos não admitem a volta de Honduras à comunidade internacional porque não reconhecem o governo de Porfirio Lobo, já que este resulta de uma eleição realizada pelo governo de facto que substituiu Zelaya.

Lobo disse que aceitaria a volta de Zelaya para que fosse julgado em liberdade por crimes de prevaricação. Já Zelaya, numa entrevista pela Internet à Reuters, afirmou que seria "impraticável e injusto" se submeter a tribunais "golpistas."

Vários grupos de direitos humanos afirmam que o novo governo de Honduras, que tomou posse em janeiro, continua perseguindo seguidores de Zelaya.

(Reportagem adicional de Gustavo Palencia, em Tegucigalpa)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host