UOL Notícias Notícias
 
05/06/2010 - 12h20 / Atualizada 05/06/2010 - 12h20

G20 concorda com necessidade de reduzir déficits

BUSAN, Coréia do Sul (Reuters) - O grupo das 20 principais economias do mundo chegou a um difícil acordo neste sábado sobre a velocidade dos cortes orçamentários necessários para acalmar os mercados financeiros após a crise na Europa.

Os ministros da Economia do G20 procuraram elevar a confiança dos investidores ao se declararem prontos para assegurar a recuperação e enfatizarem a importância de colocar as finanças em ordem.

Sem referências específicas ao débito da zona do euro, o G20 declarou que a recente volatilidade dos mercados financeiros serve para lembrar que desafios permanecem, apesar da recuperação econômica global.

"Os países com desafios fiscais precisam acelerar o ritmo da consolidação. Celebramos os anúncios recentes de alguns países para reduzir o déficit fiscal em 2010 e fortalecer as instituições financeiras", declarou o G20 em comunicado divulgado após dois dias de reuniões.

Na sexta-feira, o euro caiu para o patamar mais baixo em quatro anos, em parte pelas preocupações de que a Hungria poderia enfrentar uma crise semelhante a da Grécia.

O ministro alemão Wolfgang Schaeuble afirmou que houve concordância durante a reunião de que o esforço para se cortar déficits orçamentários era inevitável.

Ele também disse que os Estados Unidos e outros membros do G20 defenderam um aumento da demanda. "Houve opiniões diferentes sobre isso."

Perguntado se as discussões foram calorosas, o vice-ministro da Economia sul-coreano, Shin Je-yoon, afirmou que "muito quentes".

Numa carta enviada aos ministros na quinta-feira, o secretário do Tesouro norte-americano, Timothy Geithner, defendeu medidas para estimular a demanda em países como Japão, Alemanha e China, onde há superávits.

No outro tema prioritário em Busan, a reforma financeira global, os ministros reafirmaram novembro como prazo para a definição de regras para desencorajar a tomada excessiva de risco por parte de bancos --uma das raízes da crise de 2008/2009, que custou aos contribuintes trilhões de dólares.

O G20 disse que terá como objetivo implantar os novos padrões até o fim de 2012. Mas o presidente do banco central da Itália, Mario Draghi, que lidera o Financial Stability Board, disse que o mais provável é que 2012 marque o início de uma gradual entrada em vigor das regras.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host