UOL Notícias Notícias
 
06/06/2010 - 19h19 / Atualizada 06/06/2010 - 19h19

Seis rebeldes morrem e um militar vira refém na Colômbia

BOGOTA, 6 de junho - (Reuters) - Seis guerrilheiros foram mortos depois de um bombardeio de aviões da Força Aérea Colombiana contra um acampamento rebelde, localizado na floresta ao sul do país, nesse domingo. O grupo rebelde anunciou que um militar foi capturado durante o combate.

O bombardeio contra um acampamento das Farc (Forças Revolucionárias da Colômbia) aconteceu em Cano de Los Lobos, perto de San Vicente de Caguan, em Caquetá, a 300 quilo6metros ao sudeste de Bogotá, de acordo com informações da Força Aérea.

"Seis narco-terroristas foram abatidos, sete foram capturados e dois guerrilheiros foram feridos, eles receberam os primeiros socorros e depois foram entregues às autoridades competentes", disse um comunicado da Força Aérea.

O acampamento bombardeado foi ocupado por tropas do exército, que confiscaram armas e equipamentos de comunicação.

Por outro lado, as Farc anunciaram que seguem mantendo como refém o fuzileiro Henry Lopez, capturado durante um combate no qual morreram nove militares, no dia 23 de maio, perto do município de Solano, em Caquetá.

Caquetá é uma das regiões do país onde as Farc ainda têm uma presença forte e onde a ofensiva militar determinada pelo presidente Álvaro Uribe, desde que ele assumiu o poder em 2002, tem enfrentado a maior resistência.

Durante essa ofensiva apoiada pelos EUA já morreram comandantes da guerrilha importantes, como Raúl Reyes, Tomás Medina Caracas e Martín Caballero, e milhares de guerrilheiros desertaram, o que enfraqueceu a capacidade militar dos rebeldes.

As Farc, consideradas pelos EUA e pela UE como uma organização terrorista, passou dos 17.000 combatentes em 2002 a cerca de 9.000 atualmente, de acordo com informações das forças de segurança.

A ofensiva militar tem permitido reduzir os assassinatos, os seqüestros e ataques contra a infra-estrutura, incentivando os investimentos estrangeiros e beneficiando a economia. Mas os rebeldes ainda têm forte presença em zonas importantes para a produção e tráfico de cocaína, sua principal fonte de financiamento, de acordo com informações do governo.

O candidato do Partido de la U, Juan Manuel Santos, e o líder do Partido Verde, Antanas Mockus, que vão disputar o segundo turno das eleições para presidente da Colômbia, no dia 20 de junho, prometeram manter a ofensiva militar contra a guerrilha.

As Farc não informaram se libertaram o militar capturado ou se o incluíram no grupo de 22 militares das forças armadas que eles mantêm sequestrados, alguns por mais de 12 anos e que eles querem usar em trocas por rebeldes presos.

Santos e Mockus já avisaram que se ganharem a eleição não vão negociar nenhum acordo com a guerrilha em troca da libertação dos militares sequestrados.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host