UOL Notícias Notícias
 
07/06/2010 - 21h08 / Atualizada 07/06/2010 - 21h08

Desmatamento no Pantanal atinge 2,82% da área em sete anos

SÃO PAULO (Reuters) - O Pantanal, bioma localizado nos Estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, registrou desmatamento de 2,82 por cento de sua área de 151.313 quilômetros quadrados em sete anos, informou nesta segunda-feira o Ministério do Meio Ambiente.

O Pantanal perdeu 4.279 quilômetros quadrados entre 2002 e 2008, a uma taxa anual de desmatamento de 713 quilômetros quadrados, ou 0,47 por cento, segundo os Dados do Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter/Inpe) apresentados pelo ministério no primeiro levantamento recente do bioma.

Entre as principais causas apontadas pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, estão a produção de carvão vegetal, a expansão de áreas para pastagem e o avanço na área de investidores externos. O Centro-Oeste é uma das principais regiões de produção agrícola e pecuária do país.

O Pantanal foi a segunda região mais atingida pelo desmatamento quando comparado a outros três biomas. Proporcionalmente, o Cerrado teve índice de desmate de 4,17 por cento, seguido de Pantanal, Amazônia (2,54%) e Caatinga (2,01%). Os números do Pampa e da Mata Atlântica ainda devem ser apresentados pelo ministério.

O levantamento revelou ainda que Mato Grosso do Sul, que representa 40 por cento da área total do Pantanal, desmatou 3,1 por cento de sua área de 89.826 quilômetros quadrados do bioma, enquanto o Mato Grosso, com total de 60.831 quilômetros quadrados, foi responsável por 2,4 por cento.

Os cinco dos 26 municípios que mais contribuíram para a destruição do Pantanal foram Corumbá (MS), Aquidauana (MS), Cáceres (MT), Santo Antônio do Leverger (MT) e Rio Verde de Mato Grosso (MS). As emissões anuais médias de dióxido de carbono associadas ao desmatamento no período foram de 16 milhões de toneladas, informou o ministério.

A ministra acredita que uma das soluções para conter o desmatamento pode ser a criação de unidades de conservação na região, apesar de faltarem estudos detalhados do governo federal para isso, ela disse.

"O Pantanal é uma área de alta sensibilidade ambiental e muitos dos proprietários de terra preferem eles mesmos declarar suas reservas particulares como reservas naturais", afirmou ela.

CAI DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA

O desmatamento na Amazônia caiu 48 por cento entre agosto de 2009 e abril de 2010, quando houve redução de 1.455 quilômetros quadrados, em relação ao mesmo período anterior, quando o desmatamento atingiu uma área de 2.835 quilômetros quadrados.

Porém, março e abril deste ano foram responsáveis pelo desmatamento de 104 quilômetros quadrados de floresta, 49 quilômetros quadrados superior aos mesmos meses do ano passado, quando foram desmatados 55 quilômetros quadrados de floresta.

A ministra atribui o aumento do desmate no período à redução da quantidade de nuvens que cobriam a região amazônica. Ela disse que até agora neste ano, a visibilidade da floresta era cerca de 25 por cento maior que a do ano passado.

"À primeira vista, esse é o principal fator do aumento dos números. Não registramos nenhuma pressão nova, nenhum fator novo que pudesse provocar um aumento do desmate na região", explicou.

O bioma da Amazônia tem área total de 4,2 milhões de quilômetros quadrados, o que corresponde a 48,1 por cento do território brasileiro, e abrange os Estados do Pará, Amazonas, Amapá, Acre, Rondônia e Roraima e algumas partes do Maranhão, Tocantins e Mato Grosso.

(Reportagem de Bruno Marfinati)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host