UOL Notícias Notícias
 
08/06/2010 - 12h21 / Atualizada 08/06/2010 - 13h29

PIB cresce 2,7% com impulso de indústria, investimento

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO, 8 de junho (Reuters) - O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro abriu 2010 em ritmo forte, com destaque para o desempenho da indústria e dos investimentos --setores que voltaram a patamar anterior ao agravamento da crise global.

A economia cresceu 2,7 por cento no primeiro trimestre de 2010 ante os três meses anteriores, maior expansão desde o primeiro trimestre de 2004, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira. Frente a igual período do ano passado, o país avançou 9,0 por cento, maior ritmo da série histórica, iniciada em 1995.

Anualizada, a taxa do primeiro trimestre aponta crescimento de quase 11,5 por cento, de acordo com o IBGE.

Analistas consultados pela Reuters projetavam, segundo a mediana das previsões, expansão trimestral de 2,5 por cento e avanço na comparação anual de 8,4 por cento.

"Tivemos no primeiro trimestre uma taxa parecida com a da Índia e um pouco abaixo da China", comentou a economista do IBGE Rebeca Palis, citando que a expansão da Índia foi de 8,6 por cento e a da China, de 11,9 por cento ante igual período de 2009. "Foi o trimestre dos recordes, mas é preciso lembrar que a base de comparação estava deprimida pela crise."

A indústria foi um dos destaques de alta: com expansão de 4,2 por cento ante o quarto trimestre de 2009 e de 14,6 por cento frente ao mesmo período do ano passado.

A expansão da indústria foi generalizada e os setores mais importantes, como transformação e construção civil, bateram recorde, subindo 17,2 e 14,9 por cento ante o início de 2009.

A agropecuária cresceu 2,7 por cento em relação ao trimestre imediatamente anterior e 5,1 por cento na comparação anual. O setor de serviços se expandiu, respectivamente, 1,9 por cento e 5,9 por cento.

A formação bruta de capital fixo --uma medida dos investimentos-- avançou 7,4 por cento na comparação trimestral e 26,0 por cento na anual (maior ritmo da série), influenciada principalmente pela produção de máquinas e equipamentos.

Depois de sustentar a economia durante a turbulência global, o consumo das famílias diminuiu o ritmo de expansão ao avançar 1,5 por cento ante o quarto trimestre de 2009. Mas na comparação com os primeiros três meses de 2009, o consumo manteve um passo forte ao avançar 9,3 por cento, no 26o crescimento consecutivo nessa comparação.

"O consumo vinha crescendo em um ritmo alto e é difícil crescer sobre crescimento. Pode ter a ver com inflação mais alta e nível de endividamento após muitos incentivos", disse Rebeca Palis.

O consumo do governo cresceu, respectivamente, 0,9 e 2,0 por cento.

TRIMESTRE MAIS FORTE

No setor externo, as exportações de bens e serviços subiram 1,7 por cento e as importações saltaram 13,1 por cento ante o quarto trimestre. Em relação ao primeiro trimestre do ano passado, as vendas externas aumentaram 14,5 por cento e as compras decolaram 39,5 por cento.

Os dados foram conhecidos um dia antes de o Comitê de Política Monetária (Copom) anunciar sua decisão sobre o juro básico brasileiro, atualmente em 9,50 por cento ao ano. Pesquisa da Reuters na semana passada apontava expectativa de aumento de 0,75 ponto percentual.

"O número não muda o cenário para a Selic porque veio muito próximo ao consenso do mercado. A maior parte dos analistas, inclusive o BC, já trabalhava com cenário de crescimento forte", argumentou Roberto Padovani, estrategista-chefe do WestLB do Brasil.

A expectativa é de que este tenha sido o período mais forte do ano. "Você deve ter uma certa acomodação do crescimento nos próximos trimestres", disse Newton Rosa, economista-chefe da SulAmérica Investimentos, que espera expansão em torno de 7 por cento no ano.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, procurou reforçar esse discurso, dizendo que o primeiro trimestre marcou o "auge da retomada do crescimento" .

A taxa de investimento no primeiro trimestre alcançou 18 por cento do PIB e a de poupança, 15,8 por cento.

(Para outros dados do PIB http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1631&id_pagina=1)

(Com reportagem adicional Denise Luna, Stuart Grudgings, Vanessa Stelzer e Silvio Cascione; Texto de Daniela Machado; Edição de Alexandre Caverni)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,02
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,02
    75.974,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host