UOL Notícias Notícias
 
16/06/2010 - 10h43 / Atualizada 16/06/2010 - 10h48

Calderón pede apoio de mexicanos na luta contra o tráfico após mortes de narcotraficantes

Na Cidade do México

O presidente do México, Felipe Calderón, disse na terça-feira que a campanha do seu governo contra o narcotráfico não é uma cruzada pessoal, e pediu ajuda da população contra a crescente violência provocada pelo crime organizado.

O Exército mexicano informou ontem que 15 supostos narcotraficantes morreram num enfrentamento com soldados na cidade colonial de Taxco. Os indivíduos atacaram os soldados quando eles se preparavam para uma invasão, provocando um tiroteio que durou 40 minutos, disse a Secretaria da Defesa Nacional em comunicado.

Quando assumiu o cargo, no final de 2006, Calderón mobilizou o Exército e a polícia para combater os poderosos cartéis de traficantes. Desde então, confrontos entre criminosos e destes com as forças de segurança causaram 23 mil mortes.

"Não é nem deve ser a luta só do presidente, e sim de todos os mexicanos", disse Calderón na noite de terça-feira em rede nacional de TV. "É uma luta de todos os mexicanos, porque os criminosos não fazem distinção e ferem a sociedade."

Nos últimos dias, dezenas de pessoas morreram em tiroteios, emboscadas e chacinas em vários pontos do país.

Embora o governo tenha conseguido vitórias expressivas contra o narcotráfico, inclusive com a prisão de diversos líderes e a apreensão de grandes cargas de drogas, Calderón tem sido alvo de críticas por causa dos abusos cometidos por soldados e da morte de civis no fogo cruzado.

(Reportagem de Armando Tovar)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,59
    3,276
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,54
    61.673,49
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host