UOL Notícias Notícias
 
25/06/2010 - 11h13 / Atualizada 25/06/2010 - 11h13

ANÁLISE-Serra vive linha tênue entre oposição e continuidade

* Tucano tem dificuldade em encontrar discurso

* Eleitor busca candidato que avance sem mudar situação

* Dilma levou votos que eram de Ciro Gomes

Por Carmen Munari

SÃO PAULO (Reuters) - O candidato de oposição à Presidência da República José Serra (PSDB) está em pleno fogo cruzado depois que deixou da liderança das pesquisas de intenção de voto e viu a rival governista Dilma Rousseff (PT) passar à frente pela primeira vez.

É consenso entre analistas que se debruçam sobre o julgamento do desempenho do tucano que ele atua em uma linha tênue entre se posicionar de maneira contrária ao governo e atender aos anseios de uma população que deseja, segundo sondagens, o avanço dentro de uma situação que lhe é favorável.

A menos de quatro meses da eleição, Dilma atingiu 40 por cento intenções de voto e Serra, 35 por cento, como indicou o Ibope. A petista foi vencendo pouco a pouco a barreira dos baixos índices, enquanto o tucano atingiu sua máxima (40 por cento) em abril.

"Serra tem o discurso da continuidade, mas está na oposição", apontou à Reuters o cientista político Marcus Figueiredo, professor do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj).

A contradição é resumida no comentário de outro cientista político, Sebastião Velasco e Cruz, da Unicamp, que previu para a oposição um discurso "melhorista", em que praticamente tudo seria mantido em um futuro governo, mas com melhorias.

Pesquisas do Ibope, segundo Márcia Cavallari, diretora-executiva do instituto, indicam que o eleitor está buscando um candidato que consiga avançar dentro da continuidade.

A executiva cita o aumento do poder de compra, maior acesso a serviços e possibilidade de planejar o orçamento sem viver apenas a cada minuto, como na época da inflação disparada.

"É uma situação mais difícil para ele (Serra) achar o discurso na campanha porque o desejo da continuidade é grande", afirmou.

De um postulante claramente de oposição se esperaria mais um projeto alternativo, para se diferenciar da candidata petista, identificada com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Não se trata de uma alternativa dizer que vai continuar o Bolsa Família e melhorar", exemplifica Figueiredo, para quem o tucano não oferece propostas radicais, como maior inserção do Brasil na globalização, simplesmente por ser nacionalista e não acreditar nelas.

A diretora do Ibope não julga, no entanto, que o cenário eleitoral esteja fechado. Acredita que até agora Dilma cresceu e se consolidou, mas os próximos passos terão o ingrediente da campanha eleitoral oficial de rádio e TV, que tem início em agosto, além da realização de debates entre os candidatos.

Mauro Paulino, diretor-geral do instituto Datafolha, já vê características de segundo turno, pela troca de votos entre os dois principais candidatos. "A única forma de angariar voto é roubando do outro", disse.

Ele acredita que o comportamento da candidata Marina Silva (PV), em terceiro nas pesquisas, também conta para apontar o cenário. Se ela cair da faixa atual de 10 a 12 por cento para 7 por cento, por exemplo, a chance de solução no primeiro turno cresce.

Pesquisa Ibope publicada nesta semana mostrou Marina com 7 por cento no cenário que considera também os candidatos dos chamados partidos "nanicos".

EFEITO CIRO GOMES

A subida de Dilma tem ainda outro fator. Ausente da disputa presidencial, o deputado Ciro Gomes (PSB) deixou uma herança de votos que não consegue ser computada pelos institutos pela simples razão de que este efeito não é medido pelas pesquisas. Não se pergunta se o eleitor que afirmava votar em Ciro dá seu voto agora a Serra ou Dilma.

Paulino, do Datafolha, afirmou em abril, quando Ciro abandonou a possibilidade de entrar na disputa presidencial, que havia uma tendência de Serra absorver seus votos, alegando que, no segundo turno, naquele momento, a maior parte dos eleitores do PSB do primeiro turno iriam para o tucano.

Agora Paulino crê que a migração tenha sido em direção a Dilma, uma vez que é ela que está crescendo, mas não tem como indicar a proporção.

Para o professor Figueiredo, Dilma levou mais votos de Ciro do que se esperava, já que os eleitores do deputado demonstravam descontentamento com pontos do governo Lula.

(Edição de Alexandre Caverni)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host