UOL Notícias Notícias
 
26/06/2010 - 12h14 / Atualizada 26/06/2010 - 12h14

A um ano do golpe, Honduras continua dividida com governo fraco

Por Gustavo Palencia

TEGUCIGALPA (Reuters) - Há um ano, militares de Honduras retiraram o presidente de sua casa de madrugada na ponta do fuzil, uma cena que muitos achavam que Já não se veria mais na América Latina.

Os partidários do golpe contra o presidente Manuel Zelaya resistiram a pressões internacionais para restituí-lo ao poder e realizaram eleições. Mas o governo nascido do pleito continua frágil e não conseguiu ainda curar as feridas criadas pelo golpe.

O presidente Porfírio Lobo tem tentado sem sucesso aproximar os políticos, empresários e militares que apoiaram o golpe com os grupos esquerdistas partidários de Zelaya.

Os "zelayistas" sequer o reconhecem como presidente enquanto seu líder está exilado na República Dominicana. E os setores conservadores o olham com desconfiança por fazer concessões aos zelayistas, como apoiar a instauração da Frente Nacional de Resistência Popular como partido político.

Tentando ser conciliador, Lobo já se ofereceu a ir buscar Zelaya pessoalmente e assim garantir que enfrente em liberdade seu julgamento por traição à pátria, abuso de autoridade e desvio de verbas, entre outras acusações.

Zelaya se nega e diz que quem quer julgá-lo participou no golpe, que ocorreu no mesmo dia que ele planejava fazer um plebiscito, que segundo seus críticos, prepararia o caminho para sua reeleição presidencial.

Apoiado pelos Estados Unidos, Lobo conseguiu acabar com o isolamento de Honduras e recuperar a ajuda financeira internacional, vital para a economia que ficou destroçada depois da crise política.

A SOMBRA DO GOLPE

Contudo, o país continua suspenso da Organização dos Estados Americanos (OEA) e a maioria dos países sul-americanos não reconhece o governo eleito.

Os países da União das Nações Sul-Americanas (Unasur) --Argentina, Bolivia, Brasil, Chile, Colombia, Guiana, Equador, Paraguai, Peru, Suriname e Venezuela-- impuseram a condição de que Zelaya volte ao país sem ter de enfrentar a Justiça para que eles reconheçam Lobo como o presidente.

Em meio às críticas, Lobo disse, sem ser específico, que há setores que ameaçam seu governo com um novo golpe.

"Sabemos muito bem quem são eles e tenho todas as informações. Querem pegar o presidente da República," disse Lobo, pouco antes de ir para a África do Sul para acompanhar o mundial de futebol.

Analistas e diplomatas, contudo, acreditam que não há possibilidade de um novo golpe em Honduras.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    09h40

    -0,08
    3,274
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,54
    61.673,49
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host