UOL Notícias Notícias
 
02/07/2010 - 17h50 / Atualizada 02/07/2010 - 17h50

Netanyahu diz querer melhorar relações com a Turquia

Por Allyn Fisher-Ilan

JERUSALÉM (Reuters) - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse na sexta-feira, antes de uma visita aos EUA, que deseja evitar mais danos às relações do seu país com a Turquia, já abaladas pela morte de nove ativistas turcos numa frota naval que se dirigia à Faixa de Gaza.

A Turquia, aliada estratégica dos EUA na região, foi por mais de uma década o país islâmico com as melhores relações com Israel. Após o incidente, no entanto, o governo turco retirou seu embaixador de Israel e cancelou exercícios militares conjuntos com o Estado judeu.

Em entrevista à TV estatal de seu país, Netanyahu confirmou que um de seus ministros se reuniu nesta semana com uma autoridade turca, aparentemente no principal contato bilateral desde o incidente.

Um membro do governo turco confirmou o encontro do chanceler Ahmet Davutoglu com o ministro israelense de Comércio e Indústria, Benjamin Ben-Eliezer, ocorrido na quinta-feira em Bruxelas. Essa mesma fonte disse que a Turquia exigiu que Israel peça desculpas pelo incidente e ofereça uma indenização.

Netanyahu disse que Israel "não pode se desculpar," já que seus soldados alegam terem agido em legítima defesa, ao serem agredidos por ativistas que estavam no navio turco que fazia parte da frota que tentava furar o bloqueio naval israelense e levar mantimentos à Faixa de Gaza.

O premiê afirmou que "ainda não há acordos entre nós e a Turquia, mas é bom tentar parar o estrago" nas relações.

Netanyahu se reunirá na semana que vem em Washington com o presidente Barack Obama, cujo governo tem tentado estimular Israel e Turquia a se reaproximarem.

Em nota na quarta-feira, o gabinete de Netanyahu disse que Ben-Eliezer teve uma reunião extraoficial com uma autoridade turca, e que "nas últimas semanas houve várias iniciativas para contatos com a Turquia."

Depois da pressão internacional contra o incidente, Israel atenuou parcialmente o embargo a Gaza, autorizando a entrada de muitos itens civis. Também por pressão da Turquia, o governo aceitou que a sua comissão de inquérito tenha poderes para intimar testemunhas a prestar depoimento sob juramento.

Israel diz que o embargo a Gaza é necessário para evitar que o grupo islâmico Hamas, que governa a região, receba armas.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    12h29

    -0,56
    3,127
    Outras moedas
  • Bovespa

    12h38

    -0,02
    75.585,85
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host