UOL Notícias Notícias
 
16/07/2010 - 18h34

Serra promete "peitar e bancar" reforma política

RECIFE (Reuters) - José Serra (PSDB) criticou nesta sexta-feira a condução de reformas estruturais feitas pelos governos de Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva e prometeu "bancar" a reforma política se eleito.

"O Lula não aceitou minha proposta de reforma política e nem o Fernando Henrique tentou fazer. Você sabe que o Lula e o Fernando Henrique são mais parecidos do que parecem? Eu conheço bem os dois e posso garantir", disse o candidato tucano à Presidência da República em entrevista à Radio Jornal, no Recife.

"Eu vou bancar a reforma política neste país, vou peitar e bancar", prometeu.

Serra,em entrevista a outra emissora, declarou que tentaria implementar o voto distrital já para as próximas eleições municipais.

"Em 2012 quero ter eleição municipal distrital. Eu levei para o Lula uma proposta de eleição para vereador distrital", assegurou à Rádio Folha, complementando posteriormente a jornalistas que essa seria uma prioridade nos seus primeiros dias de governo e ele próprio conduziria as negociações sobre o tema com o Congresso.

Para o candidato, o voto distrital reduziria os custos das campanhas políticas. "Vamos atacar o grande fator de corrupção no Brasil, que é o custo de campanha. Eu vou fazer a reforma política."

Sobre Fernando Henrique, Serra disse que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso achava importante fazer a reforma política. "Só que aí começa o seguinte: tal setor não gosta. Aí o presidente pensa: 'se eu forçar, vou perder a oportunidade de aprovar projetos que eu quero aprovar, que eu preciso aprovar'", disse.

Segundo Serra, assim como Fernando Henrique, Lula teria concordado "com aquele olhar disperso" quando a proposta de reforma política lhe foi apresentada.

"Eu tenho outra característica. Tendo a dizer meu posicionamento. A maioria dos políticos bons nunca quer decepcionar seu interlocutor."

ATAQUES A DILMA; LULA FORA

O tucano aproveitou a tensão em torno da discussão sobre os royalties do pré-sal para criticar sua principal adversária, a ex-ministra da Casa Civil Dilma Rousseff (PT).

"Esse negócio de pré-sal é coisa para dez anos. Eu estava na reunião sobre a divisão e me posicionei contra esse debate em ano eleitoral. O Lula concordou", disse. "Quem errou foi a Dilma e o Lobão (Edson Lobão, então ministro de Minas e Energia), que forçaram o envio para o Congresso."

Mais cedo, o tucano disse que o vencedor da eleição em outubro terá a responsabilidade individual de comandar o país e, numa alfinetada a Dilma, enfatizou que não é possível terceirizar o governo.

"O Lula está fora das eleições, não disputará cargo nenhum", disse Serra em entrevista à Rádio Olinda, rechaçando mais uma vez que o presidente seja o seu adversário nesta eleição. "E é importante lembrar que não é possível terceirizar a administração do Brasil", disse.

"A responsabilidade é de quem assumir, é individual. O futuro depende de quem a população escolher. E o escolhido vai governar sozinho", acrescentou, numa alusão à estratégia da candidata petista de atrelar sua campanha à popularidade de Lula.

O tucano também demonstrou sintonia com o discurso do seu candidato ao governo de Pernambuco, senador Jarbas Vasconcelos (PMDB). Serra afirmou que quer ser o novo "amigo" de Pernambuco, discurso amplamente propagado por Jarbas em todos os seus eventos de campanha.

"O que eu quero é ser o novo amigo de Pernambuco. O Lula é pernambucano, fez carreira em São Paulo. Eu quero ser o presidente de São Paulo que é amigo de Pernambuco e do Nordeste, porque eu amo Pernambuco e amo o Nordeste."

As pesquisas de intenção de voto mostram uma folgada vantagem de Dilma sobre Serra nos Estados do Nordeste.

(Reportagem de Bruna Serra)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h10

    -0,53
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    10h13

    0,58
    63.596,02
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host