UOL Notícias Notícias
 
02/08/2010 - 20h27

Guarda Costeira dos EUA intercepta 323 imigrantes do Haiti

MIAMI (Reuters) - A Guarda Costeira dos Estados Unidos repatriou nesta segunda-feira 323 imigrantes haitianos depois de interceptá-los em dois barcos superlotados em águas das Bahamas, a noroeste da costa do Haiti, informou um funcionário da Guarda.

As operações iniciadas na sexta-feira foram as maiores interceptações de imigrantes do Haiti desde que foi devastado, em 12 de janeiro, por um terremoto que destruiu a capital, Porto Príncipe, e matou cerca de 300 mil pessoas nesse país pobre do Caribe.

Tentativas de haitianos de entrar ilegalmente nos EUA em pequenos barcos precários pareciam ter diminuído depois do terremoto, tanto por causa do impacto do desastre como pela presença de navios de guerra norte-americanos na região, parte do enorme esforço internacional de ajuda que durou vários meses.

Mas as últimas apreensões de embarcações indicam que as tentativas de imigração para os EUA podem estar se intensificando novamente.

"A Guarda Costeira continua a manter navios e aviões nas imediações do litoral haitiano para impedir a imigração ilegal e deter e resgatar aqueles que tentam partir nesses barcos inseguros, nessas viagens perigosas", disse em um comunicado o capitão Steven Banks, da Guarda Costeira.

O navio interceptador Legare deteve na sexta-feira um cargueiro de 12 metros que levava 164 haitianos, quando estava cerca de 13 quilômetros ao sul de Great Inagua, nas Bahamas.

Dois dias depois, o Legare abordou outro cargueiro, desta vez transportando 159 haitianos, a 53 quilômetros a oeste de Great Inagua.

Mais de seis meses depois do devastador terremoto do Haiti, descrito por alguns peritos como um dos desastres naturais mais destrutivos na história moderna, as Nações Unidas dizem que a massiva operação de ajuda que comandou foi bem-sucedida.

Mas pelo menos 1,5 milhão de vítimas do terremoto ainda vivem em barracas vulneráveis e acampamentos de lona por toda Porto Príncipe. Equipes de socorristas temem que se não forem assegurados habitação e abrigos mais seguros há o risco de um outro desastre humanitário, já que a temporada de furacões no Caribe inicia seu pior período em agosto.

(Reportagem de Pascal Fletcher)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,21
    3,129
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h35

    0,04
    76.004,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host