UOL Notícias Notícias
 
04/08/2010 - 17h32

EUA prometem grande ajuda ao Paquistão para reverter sua imagem

Por Sue Pleming

WASHINGTON (Reuters) - O governo norte-americano prometeu nesta quarta-feira empreender um grande esforço para ajudar milhões de pessoas afetadas pelas enchentes no Paquistão, ao mesmo tempo que espera melhorar a imagem dos Estados Unidos no país num momento em que o frágil governo paquistanês enfrenta uma crise.

Especialistas dizem que o desastre deu ao governo de Barack Obama uma rara oportunidade de ajudar a reverter a opinião negativa sobre o papel dos EUA na região e também é um esforço para conter a tentativa dos extremistas de tirar proveito do caos provocado pelas inundações.

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, afirmou que o governo paquistanês pode contar com ajuda do país, depois que as enchentes mataram mais de 1.400 pessoas e levam milhões a deixar suas casas.

"Eles podem esperar pelo apoio dos Estados Unidos", disse ela. "Nós temos trabalhado duro no último ano para construir uma parceria com o povo do Paquistão, e isto é parte essencial dessa parceria."

A especialista em Sul da Ásia Christine Fair, que acabou de retornar do Paquistão, fez um apelo ao governo norte-americano para que não se limite em sua resposta às inundações.

"Nós deveríamos fazer isso apenas para ajudar as pessoas e não nos desviar disso. Quando a ajuda é vista como sendo instrumentalizada, prejudica o valor integral da assistência", disse Fair, também professora-assistente na Universidade Georgetown.

A resposta do governo norte-americano, que inclui 10 milhões de dólares de ajuda inicial, bem como helicópteros, pontes provisórias e ajuda alimentar, surge num momento de crescente impaciência na população com a ausência do presidente paquistanês Asif Ali Zardari durante a crise.

Zardari deu prosseguimento à sua visita oficial à Europa, deixando ao governo e aos poderosos militares a tarefa de responder ao desastre, ao mesmo tempo que os extremistas continuam desferindo ataques no país.

"O fato de o presidente Zardari estar num hotel cinco estrelas em Londres, enquanto seu país se afoga, é um quadro constrangedor", declarou Michael Kreopon, perito em Sul da Ásia no Henry L. Stimson Center, instituição de Washington.

Um alto funcionário dos EUA procurou minimizar as preocupações pelo fato de Zardari não estar no país, dizendo que o primeiro-ministro paquistanês está concentrado na crise e não há nenhum vácuo.

"A questão é como o governo responde e nós estamos fazendo tudo para ajudar o governo e o povo do Paquistão."

HILLARY CRITICA EXTREMISTAS

Os militares têm assumido o comando nos esforços de ajuda, mas também estão enfrentando os militantes do Taliban, que vêm mantendo seus ataques, apesar das inundações.

Na quarta-feira, um homem-bomba matou um policial em Peshawar. "Violência como essa é repugnante a qualquer momento, mas especialmente neste momento de crise para o povo paquistanês", disse Hillary, ao comentar os ataques.

Os Estados Unidos buscam cooperação mais próxima do Paquistão no combate ao Taliban e aos líderes da Al Qaeda e na estabilização do vizinho Afeganistão.

Entidades beneficentes islâmicas, entre as quais algumas ligadas a grupos militantes aliados do Taliban e da Al Qaeda, estão competindo com o governo na distribuição de ajuda e, possivelmente, ampliando sua credibilidade.

Ao ser indagado sobre se o governo dos EUA está preocupado com o papel dessas entidades, o diretor da Agência para o Desenvolvimento Internacional dos EUA, Rajiv Shah, disse ver Washington como um "ator-chave" nesse contexto.

"Acreditamos estar dando a maior parte da resposta, providenciando serviços e tentando atender às necessidades de centenas de milhares de pessoas em um momento crítico", declarou Shah.

Depois do terremoto de 2005 no Paquistão, quando o governo dos EUA foi rápido na concessão de ajuda, pesquisas de opinião mostraram uma melhora nas atitudes em relação aos EUA no país, apesar do descontentamento com a guerra no Iraque e outras políticas norte-americanas.

(Reportagem adicional de Deborah Charles)

REUTERS VG

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    09h49

    -0,05
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h35

    0,04
    76.004,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host