UOL Notícias Notícias
 
04/08/2010 - 10h33

Exercício militar sul-coreano faz Norte ameaçar retaliar

Por Jeremy Laurence

SEUL (Reuters) - A Coreia do Sul realizará na quinta-feira exercícios militares perto da sua tensa fronteira marítima com a Coreia do Norte, local do naufrágio de uma corveta sul-coreana em março.

O governo norte-coreano ameaçou uma "retaliação física" contra o exercício, mas analistas disseram que essa reação remete a outras declarações belicosas dos últimos meses, e que há poucas chances de uma escalada militar.

Seungjoo Baek, do Instituto Coreia para Análises de Defesa, minimizou as ameaças da Coreia do Norte, mas alertou que o país pode responder no futuro com o teste de um míssil.

"Se a Coreia do Norte realizar ações militares contra a Coreia do Sul, a Coreia do Sul irá retaliar fortemente contra os militares da Coreia do Norte", disse ele, acrescentando que o Sul derrotaria facilmente o Norte em caso de guerra.

A região vive um momento de tensão desde março, quando o naufrágio da corveta Cheonan matou 46 marinheiros sul-coreanos. A Coreia do Sul e os EUA atribuíram o naufrágio a um torpedo da Coreia do Norte, algo que o governo do país negou.

Ao contrário dos exercícios militares conjuntos com os EUA feitos no mês passado na costa leste, a nova atividade sul-coreana ocorrerá na costa oeste da península, nos arredores do local do naufrágio da corveta.

A Coreia do Sul disse que seu exercício vai durar cinco dias e envolverá forças terrestres, aéreas e navais, inclusive 20 submarinos e aviação antissubmarina. Haverá disparos em cinco ilhas próximas à fronteira marítima, onde já ocorreram vários incidentes letais entre os dois países desde a Guerra da Coreia (1950-53).

"Esses exercícios servirão como oportunidade para completar nossa preparação de combate, de modo a podermos prever a provocação do inimigo", disseram os militares sul-coreanos em nota nesta quarta-feira.

A KCNA, agência estatal de notícias norte-coreana, afirmou que o Exército local adotou "uma resolução decisiva para conter com uma forte reação física os imprudentes disparos navais projetados pelo grupo de traidores".

Numa demonstração de força destinada a coibir eventuais ataques, os militares da Coreia do Sul e dos EUA realizaram treinamentos conjuntos no mês passado, levando os norte-coreanos a ameaçar com retaliação - afinal não posta em prática.

A atividade também enfureceu a China, poderosa aliada da Coreia do Norte, que acusou Washington e Seul de estarem ameaçando a segurança chinesa e a estabilidade regional.

(Reportagem adicional de Yeo-jung Chang)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,22
    3,148
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h22

    0,64
    65.099,56
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host