UOL Notícias Notícias
 
04/08/2010 - 10h40

Promotor equatoriano pede extradição de presidente da Colômbia

QUITO (Reuters) - Um promotor colombiano disse na terça-feira que pediu a extradição do presidente eleito da Colômbia, Juan Manuel Santos, pelo ataque em março de 2008 contra um acampamento guerrilheiro em território equatoriano.

Santos, que venceu as eleições de junho e tomará posse como chefe de Estado no sábado, foi o ministro da Defesa da Colômbia durante a operação militar que atravessou a fronteira. Um alto líder do grupo rebelde colombiano, Raúl Reyes, foi morto na operação, o que causou uma crise diplomática na região.

"O pedido foi feito há algum tempo", disse à Reuters o promotor público provincial Carlos Jimenez, por telefone.

A solicitação deve passar pelo sistema judicial do Equador e caberá ao Tribunal Nacional de Justiça decidir se haverá um pedido formal de extradição. A Colômbia certamente rejeitaria o pedido.

O presidente equatoriano, Rafael Correa, que rompeu as relações diplomáticas com a Colômbia por causa dessa operação, ainda pretende comparecer à tomada de posse de Santos.

Os laços da Colômbia com governos esquerdistas na região têm sido abalados por diferenças políticas com o atual presidente colombiano, Álvaro Uribe, principal aliado militar dos Estados Unidos na América do Sul. Santos pediu o diálogo com os vizinhos da Colômbia para encerrar os conflitos e fortalecer o comércio.

No mês passado, a Venezuela rompeu relações com a Colômbia depois que Uribe acusou o país vizinho de tolerar a presença de guerrilheiros colombianos em seu território, acusação que o líder venezuelano, Hugo Chávez, nega.

(Reportagem de Alexandra Valencia)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,28
    3,182
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,29
    64.676,55
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host