UOL Notícias Notícias
 
05/08/2010 - 15h09

Rússia proíbe exportações de grãos após perdas por seca

Por Gleb Bryanski e Aleksandras Budrys

MOSCOU (Reuters) - O primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, anunciou nesta quinta-feira uma proibição temporária das exportações de grãos do país. A medida tem como objetivo manter a inflação controlada após a pior onda de calor da história ter danificado as lavouras do país.

O anúncio levou os futuros do trigo negociados em Chicago para o limite de alta de 60 centavos.

"Eu acredito que seja apropriado introduzir um embargo temporário das exportações de grãos e derivados da Rússia", disse Putin em uma reunião de governo.

O porta-voz do premiê, Dmitry Peskov, informou que a proibição entrará em vigor a partir de 15 de agosto e se aplicará também a contratos já assinados, seguindo até o final de dezembro.

"Essa proibição é de caráter temporário. Falaremos posteriormente sobre como será nosso comportamento após dezembro", disse Putin.

O contrato setembro do trigo negociado na bolsa de Chicago (CBOT) atingiu o limite de alta de 60 centavos, para 7,8575 dólares por bushel, maior patamar em 23 meses.

Putin também garantiu 10 bilhões de rublos (335 milhões de dólares) em subsídios e outros 25 milhões de rublos em empréstimos para o setor agrícola. O premiê também afirmou que as reservas de grãos de intervenção do governo russo serão distribuídas a regiões sem leilões.

"Nós temos reservas suficientes --9,5 milhões de toneladas-- e não devemos permitir um aumento dos preços de alimentos na Rússia, enquanto controlamos a criação de animais e acumulamos reservas para o próximo ano", disse Putin.

"É claro que o governo está interessado em vender este recurso via leilão, mas nosso objetivo não é fazer mais dinheiro, mas ajudar produtores agrícolas que precisam de socorro".

Inicialmente, o governo planejou intervir abrindo concorrência para vender mais de 3 milhões de toneladas de grãos das reservas estatais para processadores de farinha, criadores de animais e fabricantes de ração.

Andrei Sizov Sr., CEO da consultoria agrícola SovEcon, disse acreditar que qualquer embargo não se aplicará aos grãos que já estão sendo carregados em navios nos portos.

Recentemente, o Egito comprou 180 mil toneladas de trigo russo para entrega em setembro, enquanto a Jordânia adquiriu 50 mil toneladas de trigo do Mar Negro para a primeira metade de setembro.

A unidade russa da trading multinacional Glencore pediu, em entrevisa à Reuters, para o que o governo implementasse um embargo às exportações, temendo defaults nos contratos.

Em 1999, o governo russo proibiu exportações de grãos de janeiro a maio, período no qual recebeu ajuda após uma colheita desastrosa em 1998.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host