UOL Notícias Notícias
 
06/08/2010 - 10h23

Berlusconi pede voto de confiança e renuncia se perder

Por Philip Pullella

ROMA (Reuters) - O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, deve pedir para se submeter a um voto parlamentar de confiança em setembro, e irá renunciar caso seja derrotado, disse um líder partidário italiano nesta sexta-feira.

O governo da Itália mergulhou numa crise na semana passada, por causa do rompimento de Berlusconi com o seu importante aliado Gianfranco Fini, presidente da Câmara dos Deputados.

Fabrizio Cicchitto, líder da bancada de centro-direita na Câmara, disse que o primeiro-ministro dará à coalizão mais uma chance de se unir ao seu redor. "Em setembro, Berlusconi apresentará uma plataforma baseada em alguns pontos. Esperamos que uma maioria possa ser encontrada para apoiá-los e renovar a confiança no governo", afirmou o deputado em nota. "Do contrário, a esta altura não pode haver alternativa às eleições."

Na quarta-feira, Fini orientou sua bancada a se abster numa moção de desconfiança contra um vice-ministro acusado de irregularidades. Os 75 votos dos deputados de seu grupo e de três pequenos partidos, que também se abstiveram, teriam sido suficientes para derrubar o vice-ministro da Justiça, Giacomo Caliendo. Com a abstenção, Fini mostrou que teria força para derrubar o gabinete se desejar.

Cicchitto não especificou quais medidas Berlusconi proporá em setembro. A imprensa italiana especula que elas terão relação com uma reforma do Judiciário, impostos, devolução de poderes aos governos regionais e um programa econômico para o sul da Itália, a parte mais pobre do país.

Depois do rompimento, Fini formou uma nova facção parlamentar, chamada Futuro e Liberdade para a Itália, e declarou que "apoiaria lealmente o governo toda vez que ele agir dentro do marco do seu programa eleitoral". Do contrário, iria se opor.

A declaração de Cicchitto parece ser um recado para Fini de que Berlusconi se apegará à promessa do agora rival.

Se Berlusconi convocar a votação parlamentar e for derrotado - o que parlamentares acham possível -, ele teria de renunciar. Se um gabinete cai e o presidente da República não encontra um político capaz de formar outro governo, ele então é obrigado a dissolver o Parlamento e convocar eleições antecipadas, em geral num prazo de dois meses.

Berlusconi e seu principal partido aliado, a Liga Norte, dizem que vão se opor à eventual formação de um governo interino de tecnocratas. Em vez disso, eles seriam favoráveis à realização de uma eleição ainda neste ano.

(Reportagem adicional de Giuseppe Fonte e Roberto Landucci)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,21
    3,129
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h35

    0,04
    76.004,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host