UOL Notícias Notícias
 
06/08/2010 - 11h51

Negociações climáticas da ONU sofrem retrocesso em Bonn

Por Nina Chestney

BONN (Reuters) - As negociações climáticas da ONU retrocederam ao invés de avançarem na direção de um novo tratado global sobre o tema, já que os países envolvidos relutam em aceitar reduções expressivas nas suas emissões de gases do efeito estufa, e continuam acrescentando propostas ao documento-base.

Ao final de uma nova reunião técnica, nesta sexta-feira, em Bonn (Alemanha), era palpável a frustração dos delegados, que veem como cada vez mais improvável a conclusão do processo na conferência climática do fim do ano em Cancún (México). Até lá, só haverá mais uma reunião de trabalho, em outubro, na China.

"Vim a Bonn esperançoso de um acordo em Cancún, mas a esta altura estou muito preocupado, pois vi alguns países recuando do progresso feito em Copenhague", disse Jonathan Pershing, sub-representante dos EUA na negociação.

O texto-base da negociação, que chegou a ter 200 páginas antes de ser reduzido a 17, voltou a crescer para 34 páginas no último dia da reunião de Bonn. Alguns países recuaram de consensos alcançados na conferência do ano passado em Copenhague, e algumas propostas foram acrescentadas ou reinseridas.

Uma das opções que voltaram ao texto foi a de que até 2050 o mundo se comprometa com uma redução de pelo menos 95 por cento das suas emissões de gases do efeito estufa, em relação aos níveis de 1990.

"O texto é maior do que precisava ser para chegarmos a um acordo em Cancún," disse Pershing.

"Ainda estamos tendo de captar os novos acréscimos ao texto", disse Dessima Williams, que preside a Aliança dos Pequenos Estados Insulares.

Ela disse que nas discussões a portas fechadas não viu esclarecimentos dos países ricos a respeito das suas promessas de reduções de emissões.

"Não podemos antever nenhuma grande mudança em relação ao que tínhamos em Copenhague, que era uma redução de 12 a 18 por cento, enquanto o IPCC (comissão científica da ONU) pedia 25 por cento. Estamos longe disso nas cifras agregadas", afirmou.

Já Pershing disse que a discussão esteve excessivamente voltada para colocar o ônus das reduções apenas sobre os países ricos, e não sobre todas as nações.

Divergências entre países ricos e pobres já haviam sido o principal fator responsável para que a conferência de Copenhague terminasse sem a adoção de um tratado juridicamente vinculante.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,71
    3,168
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,12
    68.634,65
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host