UOL Notícias Notícias
 
06/08/2010 - 01h41

Serra e Dilma monopolizam debate em torno da saúde

SÃO PAULO (Reuters) - Os candidatos à Presidência da República pelo PSDB, José Serra, e pelo PT, Dilma Rousseff, praticamente discutiram temas ligados à saúde no terceiro bloco do primeiro debate na TV promovido na noite da quinta-feira pela Rede Bandeirantes.

O tema valeu um comentário irônico de Plinio de Arruda Sampaio (PSOL), que disse que o tucano só falava em saúde e, por isso, era conhecido como hipocondríaco. A candidata Marina Silva (PV) também participou do debate.

Serra criticou o fato de o atual governo ter parado com o programa de mutirões preventivos e de cirurgias, entre elas as de catarata e as de próstata.

"O governo (Lula) parou com os mutirões. Isso é uma crueldade", afirmou o tucano.

Dilma respondeu não ser contra esses mutirões, mas afirmou que eles não podiam ser características de um programa mais amplo sobre a saúde.

"Considero que temos diferenças de encarar sobre o que precisa ser feito na saúde", afirmou Dilma.

No início do quarto bloco, o jornalista Joelmir Beting perguntou a Dilma se, caso eleita, reduziria a carga tributária ou se os brasileiros continuariam a pagar, a exemplo dos últimos 25 anos, 34 por cento de impostos nos alimentos e nos remédios, e juros de 55 por cento ao ano na produção e de 238 por cento no cartão de crédito.

"Acredito que o Brasil caminha para uma trajetória de crescimento com estabilidade, e teremos agora um processo acelerado de redução do endividamento público... Acredito que ao final de 2014 nós chegaremos a uma relação de dívida líquida sobre o PIB em torno de 30 por cento", respondeu a petista.

Isso, de acordo com ela, permitiria reduzir "bastante" os juros. "Sou contra qualquer tentativa de querer baixar os juros de forma artificial... No que se refere aos impostos, eu defendo uma reforma tributária, principalmente que desonere os investimentos e que impeça essa desigualdade na cobrança de ICMS sobre o mesmo produto entre vários Estados", acrescentou.

COMPARAÇÃO DE GOVERNOS

O debate mostrou Dilma e Serra, os dois principais rivais e líderes nas pesquisas de intenção de voto, no plano das comparações entre as gestões de Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso (1995-2002).

No bloco de perguntas entre candidatos, Dilma elogiou os novos empregos criados pelo atual governo que, segundo ela, chegam a 14 mil vagas. Mas Serra preferiu minimizar esses resultados e respondeu dizendo que preferia "olhar para frente a olhar pelo retrovisor".

Para ele, o governo Lula avançou muito pouco ao falar do passado. Dilma rebateu afirmando que não achava prudente esquecer o passado.

Os dois candidatos, que trocaram sorrisos ao se cumprimentarem antes de começar o debate, apresentaram propostas para três setores considerados essenciais pela população: saúde, educação e segurança.

Sobre esses temas, Serra disse que os três assuntos serão fundamentais no seu governo, caso eleito. Dilma também afirmou que as três áreas precisam ser atacadas simultaneamente, acrescentando que, se eleita, criará 500 Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e redes cegonha de saúde.

A pesquisa CNT/Sensus divulgada na quinta-feira mostrou Dilma com 41,6 por cento das intenções de voto, enquanto Serra apareceu com 31,6 por cento. Marina teve 8,5 por cento.

(Por Vladimir Goitia)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host