UOL Notícias Notícias
 
08/08/2010 - 12h50

Grupo religioso nega acusações do Talibã sobre médicos mortos

CABUL (Reuters) - O grupo cristão de ajuda humanitária que atua no Afeganistão negou neste domingo acusações do Talibã de que os médicos estrangeiros a serviço da entidade, mortos na véspera, estariam fazendo pregações religiosas no país.

O time de médicos da Missão de Assistência Internacional (IAM, na sigla em inglês) era composto por seis norte-americanos, um alemão e uma britânica. Quatro profissionais afegãos também estão entre as vítimas.

No sábado, o Talibã assumiu o ataque contra os médicos e justificou o ato alegando que eles carregavam bíblias traduzidas para o Dari, uma das principais línguas afegãs.

O argumento é de que os médicos foram mortos porque estavam pregando o cristianismo.

"A acusação é completamente sem base. Eles não estavam carregando nenhuma bíblia, exceto, talvez, suas bíblias pessoais", afirmou Dirk Frans, diretor-excutivo da IAM.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,22
    3,142
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    0,67
    70.477,63
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host