UOL Notícias Notícias
 
10/08/2010 - 19h55

Onda de calor afeta crescimento russo e incêndios se espalham

Por Amie Ferris-Rotman e Steve Gutterman

MOSCOU (Reuters) - A letal onda de calor que atinge a Rússia pode privar o país de 14 bilhões de dólares em seu crescimento econômico, disseram economistas nesta terça-feira.

Enquanto incêndios se proliferam em várias províncias, os meteorologistas preveem pelo menos mais uma semana de temperaturas excepcionais.

O primeiro-ministro Vladimir Putin, mais uma vez lustrando sua imagem de "homem de ação", voou em um avião-bombeiro, jogando água sobre um incêndio a sudeste de Moscou. A TV estatal o mostrou com fones de ouvido em um cockpit, apertando botões num controle portátil.

Meteorologistas disseram na segunda-feira que a onda de calor já dura 50 dias seguidos em Moscou e no centro do país, com temperaturas durante o dia em torno de 32 graus Celsius ou acima.

Um agente do Ministério do Interior e um agente prisional morreram combatendo as chamas perto do centro de pesquisas nucleares de Sarov e na vizinha região da Mordóvia.

Agora já são 54 vítimas fatais por causa dos incêndios, mas médicos disseram que centenas de pessoas podem ter morrido devido aos efeitos do calor. A embaixada dos Estados Unidos em Moscou dispensou funcionários não essenciais.

A pior onda de calor já registrada no país pode resultar numa redução de até um ponto percentual do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, enfraquecendo a recuperação depois da queda de 7,9 por cento em 2009, resultado da crise financeira global.

A expectativa deste ano era de uma alta de 4 por cento, que será revista devido aos prejuízos com os incêndios e o efeito do calor sobre as lavouras.

Na noite de segunda-feira, o governo aprovou uma proposta do ministro das Emergências, Sergei Shoigu, de investir 54 bilhões de rublos (1,81 bilhão de dólares) nos próximos três anos na modernização dos serviços de combate a incêndios, cujas deficiências ficaram claras neste verão.

Críticos dizem que a verba é pouca, e chega tarde demais.

Stanislav Belkovsky, analista político crítico ao Kremlin, disse que os gastos "não vão resolver problema algum", pois, segundo ele, o país precisa de dezenas de milhares de caminhões de bombeiros e dezenas de aviões que não são mais fabricados internamente.

O ministério das Emergências disse que a área afetada pelos incêndios florestais manteve-se na terça-feira em 1.740 quilômetros quadrados, divididos em 557 focos. Uma porta-voz disse que 42 aeronaves e quase 166 mil pessoas participam do combate às chamas.

(Reportagem adicional de Alexei Anishchuk, Gleb Bryanski, Aleksandras Budrys, Toni Vorobyova, Ludmila Danilova, Guy Faulconbridge e Dmitry Solovyov)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    11h40

    -0,05
    3,166
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h41

    -0,45
    65.373,86
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host