UOL Notícias Notícias
 
17/08/2010 - 08h20

Atentado suicida mata pelo menos 57 em área militar de Bagdá

BAGDÁ (Reuters) - Pelo menos 57 recrutas e soldados foram mortos e 123 ficaram feridos nesta terça-feira quando um homem-bomba se explodiu diante de um centro de recrutamento do Exército iraquiano na capital Bagdá, duas semanas antes do fim das operações de combate dos EUA no Iraque.

O atentado foi o mais mortífero em semanas e ocorreu num momento em que supostos insurgentes deram início a uma campanha de assassinatos contra juízes na capital iraquiana e numa instável província ao norte de Bagdá. É mais um ingrediente para o já tenso panorama político, cinco meses após eleições parlamentares que ainda não resultaram na formação de um governo.

Os insurgentes vêm atacando soldados e policiais iraquianos que se preparam para assumir responsabilidade plena pela segurança do país em 1o de setembro, quando os EUA encerrarão os sete anos e meio de sua missão de combate.

O contingente militar norte-americano será reduzido para 50 mil soldados, em missão de treinamento, antes de uma retirada completa planejada para o ano que vem.

"Estávamos em uma longa fila. Havia também soldados e oficiais. De repente, houve a explosão. Graças a Deus somente minha mão ficou ferida", disse à Reuters TV um recruta ferido enquanto os médicos do hospital Al-Karkh faziam um curativo em sua mão.

O ataque foi contra uma base militar perto da praça de Maidan, no centro de Bagdá. Segundo uma fonte no Ministério da Defesa, o número de mortos poderá chegar a 61.

O local do ataque era a sede do Ministério da Defesa na época do governo de Saddam Hussein e foi transformado em um base militar e centro de recrutamento depois da invasão liderada pelos EUA, em 2003.

(Reportagem da redação de Bagdá)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,59
    3,276
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,54
    61.673,49
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host