UOL Notícias Notícias
 
19/08/2010 - 15h31

Em discurso duro, Serra diz que PT cerceia liberdade de imprensa

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, fez duras críticas ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao PT nesta quinta-feira, acusando-os de usar a máquina pública e métodos antidemocráticos para cercear a liberdade de imprensa.

"Uma coisa é divergir de notícias; uma coisa é debater as notícias, outra coisa, completamente diferente, é usar a opressão do Estado... em função do partido", disse o tucano em discurso para empresários do setor de comunicação durante o 8o Congresso Brasileiro de Jornais.

O ex-governador paulista listou o que considera ser os três instrumentos usados pelo PT para oprimir jornalistas e restringir a liberdade de expressão. Um deles, de acordo com o candidato, é a utilização de dinheiro público em conferências para discutir o controle da imprensa.

"Essa é uma via democrática de estabelecer o controle, porque as conferências pagas com o dinheiro público são de frações de partido, do PT, que é a favor disso", afirmou o candidato.

Serra ocupa atualmente a segunda posição nas pesquisas, atrás de Dilma Rousseff, do PT, que, segundo alguns levantamentos, seria eleita no primeiro turno.

O tucano também apontou a publicidade governamental como ferramenta de controle da mídia e criticou o que classificou de "patrulhamento" de jornalistas que seria realizado por integrantes do PT.

"Para boa parte da mídia, o peso da publicidade governamental é grande", declarou o tucano, que também acusou petistas de realizarem "perseguição sistemática e pressão psicológica" sobre membros da imprensa.

"Jornalistas temerosos de repressão não abrem todos os fatos. Para os patrulheiros comandados pelo PT, o que importa são versões, não o fato efetivo", disse.

Serra declarou-se "ferrenho defensor" da liberdade de expressão e aproveitou para disparar também contra as relações do Brasil com países que restringem o trabalho da imprensa.

"Infelizmente o Brasil, em matéria de política externa, parece ter um especial carinho com países onde a liberdade não existe. Vamos lutar para preservá-la e defendê-la", prometeu.

"Eu na Presidência da República vou respeitar do fundo da alma essa liberdade, que é a garantia da democracia", disse. "Não fosse essa liberdade, não teriam sido descobertos mensaleiros, violadores de sigilo, portadores de dinheiro na cueca", completou.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,22
    3,142
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    0,67
    70.477,63
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host