UOL Notícias Notícias
 
19/08/2010 - 15h14

Queniano é condenado a prisão por tentar vender homem albino

Por Fumbuka Ng'wanakilala

DAR ES SALAAM (Reuters) - O queniano Nathan Mutei, de 28 anos, foi condenado a 17 anos de prisão por tentar vender um homem albino a curandeiros na Tanzânia, informou a mídia local nesta quinta-feira.

Um tribunal no noroeste da Tanzânia determinou a sentença na quarta-feira, após Mutei se declarar culpado das acusações de tráfico humano e abdução com a intenção de vender um homem albino, também queniano, por 400 milhões de xelins tanzanianos (263 mil dólares).

Ao menos 53 albinos foram assassinados desde 2007 no país do leste da África. Partes dos corpos deles foram vendidas para uso em feitiçaria, especialmente nas regiões remotas de Mwanza e Shinyanga, ambas regiões de mineração de ouro, altamente supersticiosas.

Os caçadores de albinos matam suas vítimas e usam o sangue e partes do corpo para fazer poções. Os curandeiros dizem aos clientes que as partes do corpo trazem sorte no amor, na vida e nos negócios.

Os albinos não têm pigmentos na pele, nos olhos e nos cabelos. Há cerca de 170 mil albinos hoje na Tanzânia.

"Pelo crime de tráfico humano, você irá à prisão por nove anos ou pagará uma fiança de 80 milhões de xelins. Pelo segundo crime, você irá à prisão por oito anos", disse o juiz de Mwanza Angelous Rumisha, segundo o jornal Mwananchi.

As sentenças de Mutei são pagas simultaneamente para cada condenação, significando que ele passará apenas nove anos em uma cadeia tanzaniana já que não pagou a fiança. O Mwananchi informou que Mutei foi preso no dia 16 de agosto.

Um grupo de albinos tanzanianos elogiou a decisão da corte, mas pediu por punições mais severas.

"Estamos satisfeitos com a conclusão rápida do julgamento, porque esses casos têm se arrastado por muito tempo", disse à Reuters Zihada Ali Msembo, secretário-geral da Sociedade Albina da Tanzânia.

"Entretanto, achamos que nove anos na prisão é uma sentença muito leve. Esse homem deveria ter sido condenado à prisão perpétua, porque sabia muito bem que esse pobre albino que tentava vender seria assassinado."

A Tanzânia terá eleições presidenciais e parlamentares em outubro. A Sociedade Albina da Tanzânia teme uma nova onda de mortes de albinos na segunda maior economia da África antes do pleito.

É comum que políticos visitem curandeiros durante as eleições, acreditando que os poderes deles consigam aumentar suas chances de vitória.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,02
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,02
    75.974,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host