UOL Notícias Notícias
 
23/08/2010 - 10h17

Austrália tem apuração eleitoral acirrada

Por Rob Taylor

CANBERRA (Reuters) - Preparando-se para uma semana de barganhas políticas, a Austrália apura nesta segunda-feira os votos de uma eleição inconclusiva e os mercados financeiros recuaram da previsão anterior sobre a formação de um governo conservador minoritário.

Sites de apostas também mudaram seu prognóstico, antevendo agora um novo mandato para a primeira-ministra trabalhista Julia Gillard, com apoio de alguns parlamentares independentes.

Os resultados oficiais mais recentes divulgados dão 72 cadeiras no Parlamento para os trabalhistas e 69 para os conservadores. Para formar a maioria são necessários 76 assentos. O respeitado instituto de pesquisas ABC previu bancadas de 73 deputados para cada partido, o que deixaria três deputados independentes e um parlamentar do Partido Verde como fiéis da balança.

Gillard e o líder oposicionista Tony Abbott foram a Canberra (capital) para conversar nesta semana com parlamentares "oscilantes."

A possibilidade de um governo conservador -- que arquivaria propostas trabalhistas, como a de um novo imposto de 30 por cento sobre a mineração e a criação de um mecanismo de créditos de carbono -- fez com que o dólar australiano se recuperasse de perdas anteriores e as ações das mineradoras fechassem o dia em leve alta.

Analistas disseram que, embora os investidores não gostem da incerteza, os sólidos fundamentos econômicos e a tradição de estabilidade política no país atenuaram as preocupações.

"A recuperação do (dólar) australiano, apesar dos fatos do fim de semana pode ser vista como um voto de confiança nas condições econômicas gerais da Austrália", disse um analista cambial.

Cameron Peacock, analista da IG Markets, lembrou que "o Canadá tem um Parlamento dividido no momento, com um governo minoritário. Isso também aconteceu recentemente com David Cameron no Reino Unido - provavelmente está se tornando mais comum, (e) certamente poderá ser resolvido."

Gillard, que assumiu o cargo há menos de dois meses, por uma decisão partidária, afirmou que os trabalhistas tiveram mais votos que os conservadores e "isso significa que a maioria dos australianos quis um governo trabalhista."

A hipótese de um governo conservador depende de a oposição obter mais deputados que os trabalhistas, e de os independentes confirmarem sua tendência a se alinharem aos conservadores.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,21
    3,129
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h35

    0,04
    76.004,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host